O começo

Muitas pessoas devem se perguntar o que leva um homem a querer compartilhar sua esposa, noiva, namorada com outro ou outros homens e de fato até pra mim no inicio foi motivo de questionamento, vivemos numa sociedade possessiva onde o ter vem na frente do ser e nessa sociedade eu escolhi ficar com o ser.


Essa escolha não foi fácil e demorou muito até eu entender e aceitar o caminho que eu estava tomando, na adolescência sempre gostei dos filmes com uma mulher e dois homens ou sexo grupal, a famosa suruba, os filmes de bailes de carnaval pornô me fascinavam, todos pelados fodendo sem compromisso, um desejo enorme de estar no meio daquilo tudo. Nessa época a internet era uma recém nascida e não tinha a variedade de sites e conteúdo adulto que tem hoje, o pouco que assistia eram pelos DVD’s, muitos deles piratas ou emprestados. A internet me ajudou muito a compreender meu fascínio por esses tipo de pornô, nas salas de bate-papo começavam a pipocar nicks como: “ksalQrEle”, “Esposa Liberada”, “CasalProcuraH” e por aí vai, tentava conversar com esses nicks e entender o que buscavam e foi aí que comecei a entender que eu não era o único, porém comecei a perceber uma violência gratuita atingindo esses nicks, homens e algumas mulheres ou pelo menos nicks masculinos e femininos xingando e humilhando essas pessoas, até que elas saíssem das salas e aí pude entender a carga de preconceito que o estilo de vida carregava.

Fiquei por muito tempo “vivendo” esse estilo de vida pela internet e desejando encontrar uma mulher que tivesse os mesmos pensamentos que os meus, mas no meu circulo social daquela época era praticamente impossível e a minha resistência ou medo em assumir o que eu gostava não me permitia buscar outros círculos sociais, a fase adulta veio e com ela a cobrança machista de que todo homem tem que ter uma ficante, namorada ou afim mas eu seguia firme sozinho e ouvia muitas piadas, até de que eu era gay por nunca aparecer com mulher nenhuma, apenas amigas, infelizmente aceitei a cobrança e comecei a ficar eventualmente numa festa, balada… E foi aí que o sentimento de ser um homem liberal aflorou, quando eu ficava com alguma mulher amigos vinham e comentavam que era muita areia pro meu caminhão, que era gata e os mais íntimos, chamavam de gostosa. O sentimento de poder, o ego inflado, o desejo nos olhos dos amigos de querer a mulher que estava comigo foram sensações que pra mim são inexplicáveis.

Mas havia uma lacuna, a principal, a vontade da mulher! Entre papo de homens tudo rola, mas existe uma regra que não precisa ser falada pra ser entendida: namorada ou esposa de amigo é assunto proibido! E mesmo quando o marido ou namorado fala da própria mulher os amigos ficam sem jeito, sem saber o que comentar e eu não queria falar ou mostrar a mulher que estivesse comigo sem que ela soubesse e gostasse disso e eu percebia nas mulheres que eu ficava, que foram poucas, que nenhuma delas realizaria meus desejos e fetiches e assim eu fui ficando na esperança de encontrar alguém.

Anos se passaram e fui perdendo a esperança e começando achar que o que eu queria era algo impossível, que os casais que eu via no bate papo eram fakes e que eu só curtia aquilo por conta dos filmes pornô, até que me permiti conhecer alguém e ter um relacionamento comum, conheci uma mulher linda, com um sorriso lindo, um corpo lindo que é a mulher na qual me casei e que mais tarde descobriria que ela era tudo que eu buscava durante anos.

Depois de dois anos de namoro e já confiando um no outro, comecei a perceber que ela amava se vestir de maneira sexy, mais ainda ficava retraída com medo da minha opinião, até que um dia eu falei:

- Eu amo quando você sai na rua provocante, amo quando os homens olham pra você mesmo estando comigo do lado.

Ela me deu um sorriso safado, cheio de maldade e disse:

- Eu também adoro!

E ali eu pude perceber que estava diante da mulher que procurei a minha vida inteira, a mulher que iria realizar os meus desejos de ser um marido liberal.

A partir desse dia nós começamos uma outra vida, um outro relacionamento e são as historias dessa nova vida que vocês vão ver aqui no Meu Mundo Liberal.

Gostou? Se identificou? Comente, me deixe saber o que você pensa…

Grande Abraço,

Marido Liberal