Uma imagem que resume muita coisa, para muita gente.

Não importa o que aconteça, siga em frente!

E olhe para o lado.

É muito fácil desistir de tudo, hoje em dia. Se deixar vencer pelo peso do mundo em nossos ombros, esquecer os sonhos, as vontades, e simplesmente fazer de tudo para continuar parado no mesmo lugar, pelo resto da vida.

Vejo isso no dia-a-dia, vejo isso nas pessoas que perderam as esperanças com o futuro do país, da economia, em meio à tantos escândalos de corrupção. Não existem alternativas no pensamento delas, e em grande parte eu entendo este pensamento.

Vejo uma mãe de dois filhos que está desistindo do sonho da faculdade por não ter meios de arcar com as contas de casa e estudos ao mesmo tempo. Vejo um pai que está mentalmente fragilizado, tendo sua condição piorada cada vez mais após inúmeras discussões. Vejo dois filhos que tem medo de perder bolsas de estudo, caso não consigam pagar as faturas da faculdade a tempo.

Vejo o medo por toda parte. O medo está em todos os níveis de relacionamento. O medo da crise, o medo de perder a estabilidade, o medo de cair e não se levantar nunca mais.

Eu sinto esse medo todo dia, e sei como ele é. Como ele nos puxa para baixo, para o fundo do poço. Parece atrofiar nossos músculos, nossas vontades, nossa coragem. É um vazio, sem fim.

Porém, tudo isso passa a ser esquecido quando olho para o meu lado e vejo as pessoas com as quais me importo neste mundo. Elas me apoiam, me puxam, me levantam deste poço sem fundo. Vejo o sorriso do meu amor, ouço a voz de minha mãe, de minha irmã, o riso de meu pai. Uma escada parece se formar em minha frente, e toda aquela coragem e vontade, antes perdida, voltam a me inflar novamente

Tenho certeza que há alguém em sua vida que lhe cause o mesmo sentimento, que lhe traga a mesma luz. Não deixe o escuro te puxar, deixe a luz te elevar. Não falo isso como religioso (o que não sou). Falo isso apenas como ser humano, de carne, osso e sentimentos, que tem ainda alguma esperança para o futuro.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.