Mantra da Noite [1]

Se sentir verdadeiramente feliz é um momento único e muito efêmero. Sentir felicidade superando etapas de dor e sofrimento é como admirar durante várias vigílias o crescimento de uma árvore que você plantou meio que sem perceber. Digo sem perceber por que nem sempre estamos conscientes das jornadas que vivemos. Nem sempre respeitamos as jornadas que devemos seguir e optamos pelas fugas como meio de negação delas.

Vamos nos ater a questão da vigília do que foi plantado. A cada novo olhar, o broto te arranca um suspiro. É uma nova infinitude plena que dura somente o necessário. Por alguns momentos nos iludimos ao achar que o desabrochar do solo em planta é a felicidade toda e a missão do plantio fora cumprida, mas a planta continua sua jornada estando ausente ou não nossa vigília.

Perdemos felicidade por não vigiar?

O ponto é que a vigília é a própria felicidade, pois da mesma forma que a planta pode crescer, ela pode morrer. A vigília ensina o quanto da morte é vida, e o quanto da vida é morte. Um broto a desabrochar em solo fértil não fará sombra enquanto todas as pragas que buscam a sua destruição não forem vencidas. Esteja consciente da sua jornada. A vigília é mais necessária que a sombra da qual você terá benefícios.