fe

Quem tem uma ‘Mônica’ na vida

Ninguém se reconstrói sozinho, por isso, permaneço com a atenção presente ao que ouço sobre o que dizem diversos autores sobre comportamento humano. Alguns deterministas cartesianos, pregam que se alcança a vida plena apenas com esforço pessoal, que é isso que faz as coisas acontecerem e que regras impostas pelo cérebro quando executadas pelo corpo tendem a funcionar. Para quem esta saudável esta é a lógica mais evidente, porém eu os questiono, de que jeito quem está adoecido em muitos aspectos, pode cartesianamente se organizar? Neste ponto falham todas as práticas que não consigam harmonizar o individuo num todo. Afinal, quem não consegue ir além de si e minimamente sobrevive tentando adequar sua personalidade altamente destruída pela inabilidade de viver consigo, com a família,com os acúmulos e amarras existenciais… Como definir e/ou exigir que alguém se esforce para vencer, para executar tarefas se não conhece esta dinâmica em seu interior, desplugada, mal encarnada, parcialmente fora do corpo… Com a mente intoxicada, sobrecarregada de conteúdos que antes de qualquer ação é preciso esvaziá-los para que o sangue e os fluídos vitais possam fluir novamente pelo corpo, levando energia necessária para desencadear novos e salutares processo e, assim, o pensamento, as ideias começarem a navegar em mares menos revoltos. Muitos daqueles que são vitoriosos ou estão em posição de destaque na vida, precisaram antes vencer seus demônios interiores, muitos chegaram a afundar em lamas existenciais e precisaram, antes de se olharem, alguém que os olhasse por eles. Alguém que os enxergasse além das suas retinas, que soprasse calidez humana em suas narinas, que cantasse melodias dando tréguas aos fantasmas e ao mesmo tempo que despertasse seu espírito. Ressignificar a própria existência é o impulso necessário para que o mecanismo natural da vida se ponha saudavelmente em movimento.
Muitos filósofos e livres-pensadores colocam em suas teses e concepções, contextos comportamentais que desconectam o ser humano da complexidade que ele agrega em si. Ditam regras que eliminam pessoas que não estão preparadas psicologicamente para viver a vida em sua totalidade. Através de um julgamento cartesiano, determinando condições para que um individuo vença na vida por seus próprios méritos, como se fossemos de fato organismos autônomos, não inter-dependentes de um sistema sócio-político-econômico que age sobre seus estímulos e os sobrecarrega com fardos invisíveis, dolorosos de carregar. A sabedoria orgânica faz com que o corpo divida com a mente a tarefa de carregar suas neuroses herdadas e/ou adquiridas pelo controle social, pelas imposições religiosas, políticas, pelas relações com sua ancestralidade não compreendida.
Não há como exigir que pessoas que estão desconectadas do seu corpo físico, mental, emocional e espiritual, produzam um corpo energético capaz de impulsioná-las para a vida. Traves internas desenvolvem mecanismos sabotadores de longo percurso. Não basta diagnosticar analiticamente, é preciso que encontrem espaços afetivos seguros para viverem esta transição sem julgamentos e com um olhar que lhes diga, apesar de nada demonstrar isso, eu acredito que você possa brilhar, saindo do ostracismo, saindo do papel de subjugação, saindo da exclusão e assumindo todas as capacidades ilimitadas que todos os seres essencialmente possuem .
Quem tem uma Mônica na vida, como amiga ou terapeuta tem uma grande ferramenta auxiliar, que transmite o poder da validação humana e espiritual, que dá muito de si ao outro, sem perder o auto-respeito e a capacidade de não sentir-se salvadora do mundo. Cito meu nome, não para me enaltecer, não preciso disso, ao longo do tempo venho demonstrando no cotidiano a capacidade de me colocar a disposição do outro, de servir com amorosidade em causas sociais e em assuntos privados onde permaneço completamente anônima. Cito meu nome como exemplo vivo de quem realmente conheço e assino embaixo pela sua visão ampla diante do ser humano que encontra em sua frente. Que se responsabiliza pelo que diz e pensa e não se deixa influenciar sem antes observar os conteúdos expostos e defendidos. Vantagens para quem me tem, desvantagens para quem não tem alguém que lhes olhe nos olhos, e atente os ouvidos para facilitar a compreensão sobre suas aflições e medos, seus conflitos que são vistos como permanentes sem conseguirem acessar a impermanência da vida.
Antes de julgar e dar lições de moral acreditando que o outro é incompetente para não conseguir, afinal, ‘se eu consegui o outro também tem que conseguir’, pense bem em quem está se apoiando e legitime suas percepções de forma honesta. Mesmo que muitos não saibam, eu posso estar escondida atrás do seu sucesso e ser parte da sua engrenagem e você continua julgando aqueles que estão sozinhos na caminhada. Sinto dó de você quando você pensa que se empoderou o suficiente para não ter dó de ninguém!
A humanidade neste ponto que se encontra resolveu buscar respostas prontas para casos individuais. Então, saem propagando teses e teorias incapazes de tocar a alma humana, batem no intelecto medíocre e se instalam, Assim nascem os bem sucedidos frutos da normose do sucesso planejado. Assim, seguem às cegas tendências despóticas e por seguinte, hipócritas.. Cartesianamente, determinam perfis, qualificando ou desqualificando pessoas, sem perceberem que as rotulam como produtos de um meio social que não aceita fracassos, nem perdas, nem parasitas, nem doentes, nem a infelicidade. Procuro dentro do meu processo construir pontes com pessoas olhando-as em suas particularidades, vendo-as de modo singular. Assim, posso auxiliá-las a integrar luz e sombra e perceberem o quanto valem para aqueles que a antecederam e quanto ainda valerão para aqueles que a sucederem, porém, o quanto vale para si, o quanto o auto-abandono cobra um preço alto. Palavras proferidas de forma irresponsável por senhores e senhoras da razão ou discursos descomprometidos com uma visão sistêmica, podem causar feridas tão ou mais dolorosas do que aquelas já instaladas.
Cada vez mais tenho medo dos discursos prontos, dos políticos de ocasião, dos que ditam regras, mas exibem caras inchadas por noites insones, povoadas de fantasmas, cumprindo sistematicamente os programas que lhe foram instalados pelo sistema opressor.
Com todo o meu coração, faço votos de quem já passou de um estado interno para o outro, seja com auxílio terapêutico, seja pela dedicação de uma amizade, mantenha a honestidade existencial e não saia ditando regras que não foram nem um pouco úteis para você durante o estágio doloroso. O ser humano não é modelo, é moldável… ele pode ser deformado pelas suas mensagens distorcidas de otimismo e de como alcançar objetivos.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.