Brilho eterno de uma mente sem lembranças

Eu só queria me lembrar de como tudo era no inicio

[…] deixe-me ficar com esta lembrança… Por favor, só essa.

Por mais que eu tente, não consigo me lembrar direito do rosto dela, e nem das palavras que ela me disse minutos antes de partir. Tudo na minha mente se tornou um completo borrão. Feito um esboço mal feito de algo que ainda não sei direito o que é. Me lembro de como eu achava lindo poder ver o sol refletindo na profundeza de seus quase oceánicos olhos azuis — ou será que eram castanhos?

E em como era perfeito todos os nossos fins de noite em que você apenas aconchegava sua cabeça no meu colo, enquanto eu admirava em silêncio a sua cara de sono, escondida no meio dentre seus tantos cabelos dourados — talvez vermelhos — todos bagunçados.

Hoje fazem exatamente três anos que você se foi, e confesso que o buraco que sua partida deixou no meu peito ainda não cicatrizou — e receio que nunca irá cicatrizar — e por mais que eu tente te segurar forte e manter-la viva em minhas memorias, sinto você escapando por entre meus dedos.

Não consegui impedir que o tempo te levasse e, aos poucos, vi seu rosto sumindo no meio de tantos outros.

As fotografias estão aqui como provas do nosso fracasso.

Ou melhor, do meu fracasso…

Você olha para as fotos antigas e nem sequer se reconhece mais. E nenhum dos outros inúmeros rostos ali presentes lhe parecem mais familiar.

Uma vez me você me disse que as lembranças são eternas…

Eu acreditei.

Eu cresci acreditando nisso.

Eu nunca fui uma pessoa de muitas certezas, mas essa, essa era uma das minhas poucas convicções na vida. Eu sempre achei que, apesar do tempo, o seu rosto permaneceria para sempre intacto nas minhas lembranças.

Cada linha do seu corpo. Cada curva do seu sorriso. Gravados eternamente em cada ínfimo átomo da minha mente.

É difícil não se recordar mais de algo que você jurou para sempre se lembrar. Você acha que se lembra, até um dia perceber que não se lembra mais. Pelo menos não da mesma maneira que você imaginava que as coisas realmente eram.

Quanto mais eu lembro, mais eu esqueço…

Quanto mais me aproximo, mais me afasto…

Quanto mais eu sonho, menos acabo sonhando…

Até chegar o momento em que tudo se tornará nada, e o nada se tornará nada mais do que apenas um grande abismo de lembranças corrompidas, repleto de uma infinidade de histórias rascunhadas pela metade.

O tempo pode até um dia conseguir apagar completamente você de mim, mas as nossas fotos ainda estarão aqui. Serão para sempre eternas recordações de um passado onde talvez nada seja real.

Eu só queria poder ter a certeza de que, não importa o tempo que passar, você estaria para sempre em meus pensamentos.

Mas minhas certezas andam tão falhas ultimamente.

Jurei pra mim mesmo naquele dia que nunca iria te esquecer. Mas hoje, tenho medo de acordar e não me lembrar mais de você…