SHELL ESTÁ QUEBRANDO. EM SOLIDARIEDADE, SENADORES QUEREM OFERECER O PRÉ-SAL.

Quando Nelson Rodrigues cunhou o termo “complexo do vira-lata” para explicar o comportamento dos brasileiros com relação aos demais países, dificilmente pensou que se aplicaria ao petróleo, mas aqui estamos nós, colegas.

A gente tá cansado de ouvir por aí que a Petrobras está quebrada, que a empresa não fatura, não investe. O Senador José Serra é um dos que adoram apostar na máxima do “quanto pior, melhor” para embasar sua veia golpista e passar o PLS 131/2015, de sua autoria, que tira da Petrobras a função de exploradora do Pré-Sal. Mas ninguém fala que gigantes do setor privado, como a Shell, estão passando por período de crise intensa. E não somos nós que estamos falando — saiu no Financial Times.

Assim como Serra vive um caso de amor com a Chevron (outra que apresenta queda nos números de produção, investimento e lucro), Ricardo Ferraço, senador relator da proposta de Serra em plenário e na comissão especial que trata do tema, vive um tórrido romance com a petroleira anglo-holandesa Shell.

Não diríamos que Serra ou Ferraço sofrem do complexo de vira-lata, mas se apropriam dele de todas as formas para manipular a opinião pública, assim como a mídia convencional faz todos os dias.

A Shell, que está entre as 3 maiores do mundo, anunciou números alarmantes no mês passado. Corte de 24% em investimentos em projetos , venda de ativos em US$ 50 bilhões, demissão de mais de 6 mil de seus 94 mil funcionários.

Curiosamente, ninguém diz que a Shell está quebrada. A verdade é que o mercado do petróleo passa por uma crise mundial, com a queda do preço dos barris. As poderosas estão perdendo lucros e, dentre elas, a Petrobras foi a menos atingida. Mas ninguém fala nisso.

Enquanto a imprensa nacional é condescendente com as petroleiras estrangeiras e justifica seus números pífios com a crise, é implacável com a Petrobras e, juntando-se ao discurso golpista, cola o nome da estatal à pecha da corrupção. A nossa mídia não apenas falha no seu papel de comunicar, como peca ainda mais gravemente por DESinformar, quando não explica aos brasileiros a situação por que passa o mercado do petróleo.

Documentos revelados pelo wikileaks em 2010 revelam não somente que Serra prometeu o nosso Pré-Sal à Chevron, mas que as grandes petroleiras de capital privado estão incomodadas com o regime de partilha implementado pelo ex-presidente Lula. Isso porque, ao dar prioridade absoluta à nossa estatal, Lula tornou a vida das estrangeiras mais difícil.

Ao tomar a decisão política de investir 75% dos royalties do pré-sal em educação e 25% em saúde, o governo brasileiro transformou uma riqueza que teria fim em si mesma em algo perene, que trará frutos inesgotáveis aos brasileiros e brasileiras.

E é isso que Serra, Ferraço e tantos outros querem tirar de nós e colocar nas mãos dos gringos, em defesa do capitalismo selvagem e do mercado opressor. Não se deixe enganar, lute pelas nossas riquezas! Ninguém mexe no nosso petróleo.