Essa não é mais uma carta de amor.

Sei que nos últimos tempos eu tenho sido, ou parecido, repetitivo. Sempre dizendo que te amo, que te quero, que você é e sempre será única pra mim. Contudo, hoje eu sinto vontade de dizer algo que, creio eu, ainda não disse. Quero dizer: obrigado.

Quero agradecer por você ter me tirado de onde eu estava e me (e)levado a um lugar maior, melhor, mais vivo, mais bonito. Eu estava mergulhado na insensibilidade, no cansaço mental, desacreditado no amor e hoje vivo sorrindo, vivo feliz. Tenho plena certeza de que o amor verdadeiro, aquele que só acontece uma vez na vida, existe. E está aqui, dentro do meu peito. Sempre esteve. Desde que te conheci, há mil anos.

Quero agradecer por ter me mostrado que existem outras cores, outros cheiros, outros sentidos. Por me fazer sentir saudades, sentir o coração apertado, sentir vontade de sorrir ao lembrar de você, assim como me fazer chorar. Pelo mesmo motivo.

Obrigado por me fazer sentir vontade de sair de casa, encarar o trânsito e o tempo, só pra ver você, por 10 minutos.

Obrigado por me fazer sentir que sou capaz de tudo por você. De enfrentar a saudade, de suportar a vontade doida de te ligar, só pra dizer que te amo, de te comprar flores, de entregar tudo que tenho em troca da oportunidade de te ver, de ficar perto de você, sentir seu cheiro, te ver se mover, ouvir sua voz, te ver sorrir.

Obrigado por me fazer crescer, por me fazer amadurecer no quesito amor.

Obrigado por me ensinar o que é o amor verdadeiro. Me ensinar que amar de verdade é respeitar, é querer o bem incondicional, é atender de coração, por prazer, por querer.

Obrigado por desfazer o mito, tão defendido, de que o tempo cura tudo.

Obrigado por me fazer não querer ser curado desse amor. Por me fazer ver que meu amor por você venceu, e vence, o tempo e a distância. Que é forte e se fortalece a cada dia.

Obrigado por tornar meus dias mais felizes, mais doces. Por reascender meu romantismo, meu sentimentalismo. Por me devolver a vontade de falar de amor, de futuro.

Obrigado por me deixar te amar, te querer, por me fazer pensar em você 24 horas por dia, 7 dias por semana. Por me fazer querer sonhar, e sonhar, com você todas as noites.

Obrigado por me fazer querer escrever uma carta de amor, depois de tantos anos achando que eu jamais escreveria uma. Mesmo uma com tantos “obrigados”, tão simples, singela, sem poesia.

Obrigado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.