Memórias

Sonhei com você essa noite. Você estava de camiseta listrada e calça jeans, sorria e me chamava como se quisesse mostrar algo. Tento chegar perto de você, mas quando vejo você esta longe. Tento mais uma vez e você vai embora. De repente estou na paulista na esquina com a brigadeiro, e você esta correndo pra não perder o metrô. Corro pra estação atrás de você e percebo que não vou te alcançar e então acordo num sobressalto.

Eu fui feliz, por algum tempo eu fui realmente feliz, por algum tempo eu não fui só a Dialética do Vinicius, o Retrato em Branco e Preto do Chico, o Sapato novo do Marcelo. Por algum tempo eu entendi a minha relação com o mundo, comigo mesmo, e tive a leveza dos que aceitam as coisas como elas são. Eu realmente fui feliz. E foi justamente essa felicidade que me acompanhou por um tempo que estragou a minha cabeça por completo.

Dialética

Vinicius de Moraes

É claro que a vida é boa
 E a alegria, a única indizível emoção
 É claro que te acho linda
 Em ti bendigo o amor das coisas simples
 É claro que te amo
 E tenho tudo para ser feliz

Mas acontece que eu sou triste.

Há dias ando por ai ouvindo a sua voz e me perdendo em tudo o que você me disse, em tudo o que você me escreveu. Lembranças sempre vem e me invadem, pesadas e pedintes, do tempo em que eu sonhei em ser algo. Todas essas lembranças, todas essas memórias.

Memórias são invenção! Quantas lembranças dessas realmente são verdade, realmente aconteceram? Quantas ‘não foram bem assim’? Quantas depois de repetidas diversas vezes foram se convencendo que aconteceram? Depois de contar as mesmas coisas sobre você pra mim mesmo eu já não sei como você era de verdade.

Levanto da cama vou até o banheiro e lavo o rosto com água fria. Encaro meus olhos no espelho, tão escuros e um rosto tão repleto de frustrações que me assusto. Eu novamente sou a dialética do Vinicius, o Retrato em Branco e Preto do Chico, e acima de tudo, sou o Sapato novo do Marcelo.

Sapato Novo

Marcelo Camelo

Bem, como vai você? Levo assim calado de lado do que sonhei um dia como se a alegria recolhesse a mão pra não me alcançar.
 Poderia até pensar que foi tudo sonho ponho meu sapato novo e vou passear, sozinho como der, eu vou até a beira besteira qualquer nem choro mais só levo a saudade morena é tudo que vale a pena.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Nathan Oliveira’s story.