Expectando o Amanhã

Um olhar na eternidade



Há alguns anos atrás eu não me sentia parte desse mundo, achava que havia nascido principalmente na década errada, no tempo errado. Minha cabeça não encaixava nas coisas que eu via acontecendo no mundo, e as coisas que eu via não me atraiam, definitivamente eu não via propósito em minha vida.

Por muito tempo mesmo vivi assim, me sentindo inútil para esse mundo. Mesmo como cristã, que sempre fui, ou, principalmente sendo cristã, eu achava que Deus tinha errado comigo.

Eu sempre desejei algo mais, sempre desejei participar de algo grande, ver coisas grandiosas acontecendo, sentir coisas especiais e talvez por isso mesmo eu não conseguia enxergar propósito no pequeno, no simples, no dia a dia e me sentia vazia e frustrada com minha vida.

Eu não entendia o valor da minha existência. Demorou um tempo até eu começar a mudar minha perspectiva e passar a ver sentido na minha vida. Mas minha visão finalmente mudou. Eu ainda anseio por coisas grandiosas, mas hoje eu sei que esse desejo são presságios da eternidade em mim.

“Ele fez tudo apropriado ao seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim ele não consegue compreender inteiramente o que Deus fez.” Eclesiastes‬ ‭3:11

E então eu passei a compreender melhor o anseio ardente que havia no meu coração por coisas novas, e comecei a buscar o que Deus tinha preparado para mim na breve passagem da minha vida por esse mundo. E vi que tudo já estava declarado na bíblia. Toda orientação e direcionamento.

“Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai no ermo vereda a nosso Deus.” Isaías 40:2

Para que fomos chamados? Para alertar e preparar o mundo sobre a eternidade.

Uma vez salvos, somos agora comissionados para uma nova perspectiva de vida.

“Voz do que clama no deserto” E olhando por esse parâmetro, onde estaremos nesse mundo enquanto Jesus não retornar para nos buscar? Não é no deserto, em sequidão e até aflições de espírito? Enquanto o Rei não vier, estaremos ainda imersos no mundo, sujeitos ao mundo, andando paralelo ao mundo, embora não fazendo parte do mundo. Ainda seremos pobres, cegos, nus e estaremos como num deserto!

“Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo dessa morte?” Romanos 7

E o que isso significa? Que estamos na hora e na posição certa! É do deserto que saem os vitoriosos, é do deserto que surgem os valentes, que são forjados os vencedores!

“Porque, quando estou fraco, então, sou forte.” 2 Corintios 12:10

Depois de aceitarmos a Jesus como nosso único e suficiente salvador, e recebermos o amor do Pai pelo Filho, e sermos acolhidos por seus braços de amor, nós seremos curados e limpos. Pronto, nossa missão acabou de começar, nosso maior chamado, e ai vai uma ordem: Preparai o caminho do Senhor! É o Ide. Prepara meu povo para a minha volta, se arrumem e se adornem para Mim, conclamem as nações, e consertem-se porque eis que venho sem demora!

Já fomos comissionados, nossa missão é clara e objetiva. Mas, muitas pessoas ficam correndo atrás de ministérios, de púlpitos, de títulos. Esperam que profetas revelem a vontade de Deus para suas vidas de uma maneira sobrenatural e barulhenta, quando na verdade a missão já foi dada, sua carteira de trabalho do céu já foi assinada e sua jornada já deveria ter começado.

É muito comum as pessoas confundirem ministério com chamado, é bem sutil, irei tentar explicar a diferença entre eles. Vejamos, o chamado, segundo o que está no Novo Testamento no livro de Mateus, Jesus diz assim nos versículo 18, 19, “É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto. Ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”, pronto, é simples assim. Você foi chamado para anunciar a Jesus, pregar a Salvação, livrar as pessoas da condenação eterna. Enquanto que o ministério é a maneira como você irá veicular a salvação. Isso é bem simples, não é? Mas, dai surge um segundo erro, um segundo pensamento muito comum da humanidade após o entendimento dessa verdade, que é o de somente querer atender a esse chamado depois de estar com seus ministérios “funcionando de fato”.

E ai que eu entro em outra questão. Um calo no sapato de muitos crentes, qual sua motivação em tanto querer atuar em um ministério? Muitos não sabem, mas estão com motivações totalmente estragadas em relação a isso. O que você quer na verdade, gerar glórias para Deus ou para si mesmo? Porque enquanto seus ideais ministeriais se basearem em suas próprias convicções, por mais que você seja atuante, e ainda, de um ministério grande, e até muito conhecido, você será uma árvore seca, completamente sem frutos. Você estará em vão nessa terra, e o que é ainda pior, carregando o sangue de inocentes nas suas mãos. Lembre-se que não é para promover sua voz, sua sabedoria e inteligência, seus dons e suas capacidades ou sua beleza ou até uma doutrina. É para promover o Reino de Deus nesta geração. E se você não sabe como detectar isso em você, ore ao Senhor, ele é a fonte de todas as coisas das quais verdadeiramente necessitamos.

Se estivermos unidos, num só propósito e no mesmo sentimento seremos uma explosão da Glória de Deus. Cada um de nós deve vestir a camisa do Evangelho de Cristo e não do nome da sua denominação, assim seremos juntos, manifestantes do poder de Deus. Não somente de avivamentos isolados em datas isoladas da história, mas constantes e firmes.

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.” ICorintios 15:58

Um corpo em seu perfeito funcionamento que será capaz de ministrar da plenitude do Deus

“E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.” Efésios 3:19

Que o amor de Pai e a motivação certa venham mover seu coração para cumprir o chamado de Deus!


Gostou desse texto? Clique em ‘Clap’ quantas vezes quiser e deixe seu comentário!
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Nathália Martinelli’s story.