A dificuldade da sonhada CLT de Jornalista

“A profissão em crise, pior profissão do momento, não precisa de diploma…”
É nesse passo que estamos, as redações cada vez menores, os impressos vendendo menos, e até dizem que o jornalismo respira por aparelhos. Carteiras assinadas, existem ou são mito? Estabilidade é possível?
Tudo isso no texto de hoje.

E os jornalistas por onde andam? -Um beijo jornalistas-. Eles estão se adaptando as “novas regras” da profissão, seja no home-office, criando conteúdo, storytelling, mídias sociais, assessoria de imprensa, agência de notícias etc.

Os “freelas” se tornaram mais confiáveis que a CLT, é preciso se reinvetar e se adaptar ao novo mercado e as novas demandas. Então, não se desespere caro estudante de jornalismo, ainda há esperança. Ainda tem trabalho sim e vamos pagar as contas sim.

Quando pensamos no antigo modelo de jornalismo, nos repórteres, na bancada do jornal nacional, nas mídias impressas. Vemos sim a crise, em tempos de internet e portais online quem compra o jornal diário? quem lê aquele caderno imenso de domingo? São raros os beatos do impresso.

Esse modelo de jornalismo está decadente, muito infelizmente mas está, porem, isso não quer dizer que não tem mais jeito, quer dizer que temos que olhar com cuidado pra profissão, enxergar os novos caminhos, enxergar as soluções para os problemas.

Enfim, coloque a insegurança de lado, porque se você escolheu o jornalismo, ou melhor, se ele te escolheu, as coisas vão acontecer. Se reinvente, entenda o mercado, saia da caixinha e se aventure na jornada.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.