Sim. Eu tenho um time do coração!

Seis meses. Passei os últimos 180 dias como anônimo. Torcedor anônimo. Desde que escolhi esta profissão, de repórter, e CEO do blog www.ocuiareporter.com.br, escondo meu time do coração. Como se fosse um criminoso.

Faz 6 meses que temo usar a camisa do meu time com medo que uma foto viralize. Uso a da Chapecoense, do Mazembe, mas não a do meu time. Por que sou proibido de usar. A pressão proíbe. A mediocridade. A patrulha.

Faz 6 meses que vibrar é uma palavra que desapareceu do meu dicionário. Quando meu time perde, vence, é humilhado ou dá uma goleada, tenho que ter a mesma cara de paisagem, de abobado, de Mundo Perdidão. Não posso ter sentimento. Como se enfiassem uma agulha no meu olho e eu nem piscasse.

Conseqüência desta terra que vivemos, onde tudo é um lado ou outro, ximango ou maragato, contra ou a favor, esquerda ou direita, azul ou vermelho.

Proibi minha mãe de dizer, a quem perguntar, para que time eu torço. Como se isso fosse muito importante. Até bem pouco tempo eu pedia para meu cachorro, que é sócio do rival, que não mostrasse a carteirinha que lhe dei de presente. Não queria causar suspeitas.

Sinto-me um criminoso. Alguém que tem algo de muito perigoso a esconder. Cumpri 6 meses de reclusão emocional. Há jornalistas esportivos que cumprem quarenta, cinquenta, uma vida toda. Minha emoção está presa há 6 meses.

E quando minhas críticas aos clubes são mais ácidas lá vem o adjetivo: “Colorado pau de selfie”, “Gremista gOy”, para ficar nos termos publicáveis. Pois agora, passo apenas a ser gOy ou pau de selfie, já que meu clube do coração será público e não haverá mais desconfiança.

Cansei de me esquivar. De me esconder. De disfarçar.

Eu sou gremista. Torcedor do Grêmio. Minhas cores são azul, preto e branco. Isso nunca mudo minha forma de ver as coisas, de criticar, de elogiar, de revelar.

Fiz amigos dos dois lados. E inimigos também.

Mas eu sou gremista. Filho de gremista. Neto de gremista. PaiOpsss…

E daí? Sou pior que alguém por isso? Sou melhor que alguém por isso? Não!

Deixem-me torcer para o meu clube. E me deixem fazer reportagem esportiva SÉRIA E ISENTA COMO SEMPRE FIZ NESTES 6 MESES. E agora eu vou comprar uma camisa do meu time. Azul, preta e branca. Vamos, vamos, vamos tricolor!

Repórter esportivo desde 2014, @OCuia é CEO do blog www.ocuiareporter.com.br e faz jornalismo esportivo isento estilo JBFilho e Fabiano Baldasso.

p_observed

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.