O Lúgubre Conúbio

O Noivo

Eram duas da tarde de um verão rigoroso. Eu tomava a última gota da cerveja do copo. Uma beleza negra estava nua, assim como eu, ao meu lado, observando a cerveja acabar. Ela grita meu nome, ela bagunça o quarto.

A Noiva

Ele dormiu com minha irmã. Ele não me ama, mas eu o amo. Eu faço tudo por ele. Eu estou no quarto vizinho do dele, ouvindo minha irmã sentindo os prazeres de meu noivo, que agora já não é mais meu. O nome Dagoberto grita tão alto e repetidamente em minha cabeça. Eu, em lágrimas, saio da porta que estava escorada e me levanto e vou em direção a janela, olho aos lados. Vejo aquela paisagem litorânea, me fez lembrar quando conheci ele. A porta abre com brutidão atrás de mim, dois homens grandes aparecem na porta.

O Noivo

No quarto ao lado há mais bagunça que aqui. Nós dois concordamos em abrir a porta e ver o que acontece lá fora. Quando abrimos a porta, nos deparamos com dois dos seguranças do hotel em que estávamos. Eles arrancam uma moça descabelada usando uma camisa larga e velha e uma calça jeans clara. Ela é levada para fora do quarto pelos braços e se joga no chão. Se rebate. Parece estar armada.

A Noiva

Eles me pegam de maneira bruta. Mandaram eu sair por não ter reserva no hotel. Aonde já se viu negar uma noiva ficar junto do noivo? Eu me jogo no chão e tento sair daqueles braços. A porta do quarto ao lado está aberta e meu noivo com minha irmã estavam observando tudo. Eu grito “DAGOBERTO!” e me levanto. Eles continuam a me carregar.

O Noivo

“Tudo bem, podem parar, conhecemos ela!” Eu intervi. Eles pararam mas não soltaram ela. Ela olha pra sua irmã com ódio. Ela não foi em nosso casamento. “Você teve a coragem de fazer isso comigo? SUA VACA!”, ela urra.

A Noiva

Eu pego a pistola que está dentro da minha calça. Os seguranças tentam me desarmar, mas eu reluto para segurar a arma. Eles exclamam para não fazer nada do que me arrependa depois, em pânico. "PARA NÃO ME ARREPENDER DEPOIS?” ,eu grito. “NÃO TERÁ UM DEPOIS!” Pego a arma e atiro em minha cabeça. Acabou o casamento. A noiva morre no tapete vermelho. Não houve chuva de arroz. O noivo e sua verdadeira noiva choram.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.