Follow the Madness.

“Talvez nada aqui faça sentido e a confusão seja maior que o perigo”.

Nunca uma frase se encaixou tão bem em alguém. Meu coração é casa de sentimentos confusos. Porque, sim, a confusão fez morada e não parece ser temporário.

A razão não me abandonou. Eu nunca fui uma pessoa muito racional, então é errôneo dizê-lo. Não se abandona o que nunca se teve. Sempre preferi a intensidade, o pulo sem medo, o sentimento sem consequências, o se entregar. Afinal, acredito ser preferível o viver intenso ao medo da queda. E a razão não anda bem com essa ideia, o que resta por torna-la um freio que eu não tenho.

Exatamente por isso não é fácil me conhecer, me conquistar, me ter, me ganhar. Embora eu respire amor, a confusão é maior do que o perigo de se apaixonar. É que nem todo pulo vale a pena. Mas como é lindo quando vale! E eu pulo quando acredito. Ainda que sozinha, eu pulo. Ainda que com medo, eu pulo. “It’s a shot in the dark, but I’ll make it”.

Talvez, quem sabe, tudo aqui faça sentido. Talvez a confusão não seja, afinal, maior que o perigo. Talvez eu me perca em você. Talvez você encontre um jeito de se perder em mim. Talvez a sorte sorria para nós dois. E quem sou eu para não ser a favor? Nós criamos o nosso paraíso.

Like what you read? Give Olhar de Medusa. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.