O vírus da depressão: I- A internet e o jovem influenciado

Sinto te informar, talvez até discorde, mas a verdade é que a depressão foi romantizada e satirizada. As pessoas que sofrem do mal do século, são piadas, qualquer abalo emocional é classificado como depressão, virou “cool” se sentir mal e até requisito pra interação social se chamar de lixo e se sentir sozinho. Pode discordar, dizer que estou errado e a doença finalmente ganhou reconhecimento, as pessoas estão dando ouvidos umas as outras e que agora as pessoas têm coragem de procurar ajuda, alguns pontos estão corretos. Mas algo que hoje em dia é representado por memes e é usado como brincadeira, esta sendo reconhecido da forma correta?

A internet é mesmo um mundo de extremas oportunidades, sejam positivas ou negativas e uma delas é a chance de se expressar, dizer o que pensa e como se sente sobre as coisas ao seu redor. Pode usar pra divulgar seu trabalho ou até mesmo só falar sobre seu dia, a diferença é que a exposição é imensa, qualquer pessoa tem acesso, podendo ela se identificar, criticar ou compartilhar e expor mais ainda sua ideia ou sentimento. E então cria-se uma piada intimista que brinca com participação social de quem possui o distúrbio psicológico, fala sobre se sentir inferior ou sozinho, as pessoas se identificam e compartilham, aquilo realmente faz rir e então mais compartilhamentos de mais publicações e então cria-se um padrão que ironiza a depressão e ansiedade, se torna tão comum entre os jovens que marcam uns aos outros, se inferiorizam, disputam quem se sente pior, o cerne, a essência já foi perdida e vivenciar um distúrbio que é grave, e expressar isso, virou piada. Agora temos pessoas que aplicam visão extremista sobres seus problemas, ignoram a existência de família ou amigos e deixam sua importância de lado para trazer sua significância à zero. Talvez eu esteja sendo o chato que faz “textão”, mas adolescentes são de fácil influencia, muitos são movidos pela massa, batalham por aceitação e se enquadrar em algum padrão, então acredite, se a moda foi de usar calças coloridas e dançar o “ah lelek” para se auto depreciar, sabotar a própria mente para se sentir mal e interpretar as coisas da pior forma para poder rir das situações que emocionalmente nos abalam, temos um problema. Os “tristes de internet” que curtem as “músicas da bad” e usar os filtros “sadboys” não são só pessoas seguindo a moda, podem ser mesmo pessoas que precisam de apoio, cuja realidade não é absorvida da forma que deveria e lutam todos os dias contra si mesmo para se manter vivos, mas como ouvir um grito de ajuda em meio as gargalhadas?

13 Reasons Why não foi apenas para contar uma trágica história de amor, uma mensagem foi pensada, não era apenas uma boa trilha sonora ou uma boa ideia para fazer seus amigos ficarem preocupados, não é porque todos escutam a mesma música “sad” que você deve usa-la como legenda pra suas fotos, o que é dito nem sempre se aplica a você, eu já disse em outro texto mas, você não é um merda, mermão. E se é você se compara ao lixo, me perdoe, mas eu não vejo tanta graça. Você é mais que isso. A internet é repleta de vícios, tendências, pessoas vazias, conflitos absurdos, problemas de interpretação e imposições diversas, é perfeito para aumentar a sensação de vazio, observar a vida alheia e falar o que quiser, ainda que de forma mentirosa ou exagerada. Talvez, precise olhar para si, olhar para as coisas como são, procurar se questionar, estudar sobre você e sobre o que sente, buscar ajuda, buscar solução antes de dar risada ou reclamar de um problema. Precisa saber se aquilo que viu ou ouviu realmente te representa, se a resposta for sim, procure mudar a resposta. Talvez seja preciso pausar Jocelyn Flores, não compartilhar “depressive memes” só porque todo mundo curte, talvez não seja tão lindo esse wallpaper com algum casal suicida, se realmente há dor e sofrimento, prefira rir quando estiver dando seu melhor para melhorar. Converse com quem sente o mesmo, busque apoiar, mude a forma de interpretar o mundo ao seu redor. Não é sobre levar tudo tão à sério e não se divertir com a própria vida, é sobre cuidar de si, acima de tudo. É sobre sentir e pensar antes de expor, as pessoas precisam mesmo dar tanta risada da forma como você se sente? Alias, você realmente sente? A internet não é um bom psicólogo, memes não são conselhos, ser “sad” não é uma piada e se ta todo mundo “brincando”, não se deixe influenciar, ninguém esta ganhando nada com isso, apenas perdendo a si mesmo.