Como não ser Coach e influenciar pessoas.

A imagem das nossas fraquezas está cada dia mais evidente e é combustível para um mercado cruel.

Mais um dia, você já achou seu lugar no mundo, está em paz com seu lado pessoal, familiar, corporativo. Vive os louros, emprego bom, salário bom, está realizado, certo?

Incrivelmente, muitos responderão que não.

O percebemos com este questionamento é que existe um sutil padrão de igualdade que poucos se atrevem a perguntar se está certo. Há um mar de individualidade, que ironicamente está cheio de nós.

É criado um padrão de perfeição do modo de vida. Não entro na questão estética, mas na parte que cabe ao ter, o possuir, ou ser alguém muitas vezes diferente do quem que você é.

Visivelmente em redes sociais a necessidade de promoção deste padrão de vida é abundante, onde os ganhos ou vitórias são publicados incessantemente por pessoas que muitas vezes não estão realmente realizadas como aparentam.

É algo violento. Você força e se força a colaborar com este modo social até involuntariamente, pois o humano evoluiu para a vida em sociedade e ao que o grupo segue. Não notamos que estamos influenciando nos círculos de amizades/família/trabalho/pessoas em geral.

Esta influência limitará quem é bom ou não para o que o grupo almeja.

Bem, ao invés de colaborar com as pessoas, estamos regredindo o avanço social que a humanidade tomou até agora.

Por exemplo, hoje ao abrir uma rede social, você se deparará com pessoas exibindo corpos magníficos em lugares de tirar o fôlego, e nós estamos admirando em nossos escritórios ou salas de produção, ocupando nosso tempo (sem produzir) e não achamos uma possibilidade de termos em nossas vidas algo tão espetacular quanto essas fotos mostram, ou seja, nos frustramos.

Mas há uma brecha nesta frustração.

Para quem teve um pouco mais de foco que a média e tem o mínimo espírito empreendedor, consegue utilizar o desejo e o querer sem ação dos que admiram as fotos, para vender a solução.

Muitos livros foram escritos sobre comportamento social, pessoal, sobre técnicas de como conquistar as pessoas e basicamente, essa é a base de venda de qualquer produto, uma linha tênue que beira a manipulação (muitas vezes se cruza a linha).

Assim, sabendo o que você busca e sabendo que você está frustrado, é fácil transmitir como uma solução e foco em coisas que você já sabia que deveria ter, muitas vezes são obvias as ações que mudariam nossas vidas. Desta forma, levando em consideração o numero elevado de pessoas que passam por situações semelhantes, uma solução genérica é muito bem aproveitada.

Os profissionais capacitados para lidar com desvios psicológicos de pessoas, e contornar situações traumáticas, por exemplo, nem sempre são os mesmo profissionais que estão se especializando em oferecer ajuda em momentos que sua determinação é evoluir e alcançar a qualidade de vida que você deseja.

Existem vários fatores de você estar onde está na vida. Isso também vale para mim. A questão é que devemos conhecer nossas limitações psicológicas e físicas.

A ferramenta mais importante é a mesma que alucina alunos em aulas de português, a ferramenta para entender onde está é o uso dos Porquês.
A habilidade de questionar é o que separa as pessoas, é o que faz aprender e se destacar.

Você, em perfeita saúde física e mental, que está se sentindo frustrado por ter chegado na etapa da vida que precisa começar ou recomeçar, você não precisa de ninguém para te dizer que você precisa estudar, focar, ter disciplina, ser otimista, dar valor para as pessoas em sua volta, não julgar os outros e outras ações para atingir objetivos.

O que você precisa é apenas fazer o que é necessário.

Muito das ajudas que vem de cursos não licenciados, apenas levam a um individualismo sem necessidade, colocando a culpa e a reação de todas as suas ações em você mesmo, na verdade, em partes isso é real, mas muito da sua condição atual, é oriunda de ações aleatórias de outras pessoas.

O real problema está no coletivo e não no individual.

Quando focamos no individual, estamos dando um alivio temporário para um problema e questão que será reincidente. Mas não podemos ignorar os fatos, as reações das pessoas ao seu redor, irão influenciar no seu modo de agir ou intervir em ações suas, por exemplo, as decisões de políticos que ampliam taxas de juros que atingem a margem de lucros da empresa que você montou, fazendo-se necessária a corta de gastos e a infeliz demissão de algum funcionário.

Se você acreditar que a culpa é sua e tão só sua, isso é injusto, pois você não controla sozinho as decisões e as idas e vindas do mercado.

Você precisa questionar e fazer algo para superar as dificuldades sim, mas não de martirizar achando que tudo gira ao seu redor.

A questão é:

  • Você tem a capacidade ai dentro de você, não precisa de ninguém para te mostrar o obvio.
  • Se questionar mais, vai achar mais respostas e elevar suas possibilidades.
  • O que as pessoas fazem com suas fraquezas ou frustrações, é vender algo que irá sana-las, mas não é um remédio efetivo.
  • Se martirizar pelo o que está acontecendo é muitas vezes egocentrismo, deixe isso pra trás, questione e evolua.
Lembre que quem conseguiu tal façanha, hoje nos vende os caminhos, as técnicas, os mindsets para termos o mesmo sucesso genérico, uma imagem distorcida e muito preciosa da vitória.

Você quer chegar à sua própria vitória ou na vitória que os outros sonharam?

Então seja e faça diferente.

Comece e questione.

Siga alguém e supere.

Agora.

Se você sempre seguir alguém, você sempre estará em segundo.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.