Por um Cotidiano Imaginativo

Oficina de Desvios Situacionistas

estúdio pianofuzz


O Movimento Internacional Situacionista
Revolução do cotidiano pela situação construída

A Internacional Situacionista foi um movimento internacional de caráter político e artístico, ativo principalmente na década de 60. Surgiu a partir da fusão de tendências artísticas que se auto denominavam vanguardas da época: a Internationale Lettriste, o International Movement for an Imaginist Bauhaus e a London Psychogeographical Association, sendo também influenciado por outros movimentos como o Dadaísmo, o Surrealismo, o Fluxo e o COBRA.

Guy Debord, Michèle Bernstein e Asger Jorn, 1961.

Liderados por Guy Debord, estavam no grupo outros nomes como Alexander Trocchi, Ralph Rumney, Asger Jorn, Attila Kotanyi, Michèle Bernstein e Raoul Vaneigem.

Sua crítica era direcionada ao consumismo, à cultura de massas, ao capitalismo, e ao que Debord chamava de A Sociedade do Espetáculo.

O espetáculo não é uma coleção de imagens, mas uma relação social entre pessoas, intermediada por imagens (…) como uma concreta inversão da vida, é um movimento autônomo do não vivente… O mentiroso mentiu pra si mesmo.
— Guy Debord
[1958] Internationale Situationniste #1

Segundo os situacionistas, há uma separação entre o espetáculo “falso” e a “verdadeira” vida cotidiana. Debord contrasta com Hegel ao dizer que, dentro do espetáculo, “o verdadeiro é um momento do falso”.

As cortinas do espetáculo se abrem, quando as relações sociais capitalistas passam a intermediar os aspectos da cultura e da experiência humana. Portanto, construir situações através da organização coletiva é pensar a cidade e o homem como parte concreta desta realização. É através desta reflexão que os situacionistas assumem uma postura revolucionária frente a construção do cotidiano.

Download do livro:
A Sociedade do Espetáculo

La Société du Spectacle
Guy Debord — 1973

Negação da Negação
Superar os Dadaístas e os Surrealistas

Para os autores, seria necessário uma superação da arte, que se encontraria engolida pelo racionalismo capitalista. A aura da atividade artística foi profanada pelas novas relações de produção do capitalismo. É como se todos os meios de expressão tivessem sido transformados em aparelhos para a grande máquina da propaganda.

A negação da concepção burguesa do gênio e da arte já foi em muito superada, os bigodes da Gioconda não apresentam nenhum caráter mais interessante que a primeira versão dessa pintura. É preciso agora prosseguir com esse processo até a negação da negação.

Partindo de um ponto de vista dialético, acreditavam que essa superação da arte só viria pela transformação ininterrupta do meio urbano. Não se tratava de construir cidades ideais; mas, fazer do urbanismo e da arquitetura ferramentas de uma revolução do cotidiano.

La beauté est dans la rue. (A beleza está nas ruas)

A Teoria do Desvio
Desvio de Elementos Estéticos Pré-Fabricados

Diante de tal cenário, o desvio foi uma das formas encontradas pelos Situacionistas para subverter a comunicação de massa, usando sua própria produção contra a ordem estabelecida.

Com interferências mínimas, sequestrava-se o sentido original, ressignificando a imagem.

Guia prático da Teoria do Desvio — Guy Debord e Gil Wolman

Estúdio Pianofuzz

A Proposta da Oficina
Como construir um cotidiano imaginativo de forma coletiva?

No dia 18 de março nos reunimos no Departamento de Artes Plásticas da UEL (Universidade Estadual de Londrina) para debater e produzir.

Foram apresentadas as ideias do movimento da Internacional Situacionista e a Teoria do Desvio, que nortearam a produção de colagens, desviando o sentido de imagens retiradas de jornais, revistas, anúncios, etc.

As colagens fazem parte da ocupação artística da DaP (Departamento de Artes Plásticas): Ainda Olho, Ainda Falo.

O que queremos, de fato, é que as ideias voltem a ser perigosas.

Confira imagens da oficina e de alguns desvios gerados:

S.O.S Forças Armadas Por Vladimir Herzog
Desvios gerados na oficina: A arte está acima do senso comum?
A única intervenção possível é a intervenção situacionista no cotidiano.
Prefiro a vida — Andre Breton

Links:
1. Colunas Tortas. Internacional Situacionsta: Teoria do Desvio.
2. Guy Debord Blogspot. Definições.
3. Guy Debord Blogspot. Manifesto Internacional Situacionista.
4. Imago Mundi. Guia Prático Para o Desvio.
5. Public Collectors. Situationniste Collection.
6. Situationniste Blog. A Situationist Book Collector’s Blog.
7. Vitruvius. Breve Histórico da Internacional Situacionista.
8. Wikipedia. Situationist International.