Espectador

Público fulminante que comenta,
espectador ingénuo que critica.
Ignorante que não ouve mas que escuta
ilustração que com palavras falsifica.

Na frente telas exorbitantes,
no entanto apenas duas sombras representantes.
Atrás, a selva em pessoa.
Felizmente floresta que escoa.

Deste teatro somos atores.
Desta vida somos flores.
Desta alma somos cantores.
Desta ilusão somos imaginadores.

Abre as asas,
deixa o chão,
solta as lembranças
se apenas pesadas são.

O Público é público
pensa que é gente.
Eu e tu somos nós,
porquê tanta gente?

Se não queres voar,
aterra no meu olhar.
Bombeia a nação,
cuja bandeira é o coração .