20 Vozes femininas para 2017

2016 foi um ano conturbado, não vamos negar, mas também foi um ano cheio de lançamentos e hits empoderadíssimos que, sem dúvida, abrirão novos caminhos pras vozes femininas (e feministas) em 2017. Separamos uma playlist mais que especial no nosso Spotify pra você conhecer algumas das nossas apostas que vem com tudo no próximo ano!

1.100% Feminista — MC CAROL & KAROL CONKÁ
Depois de quebrar tudo com a música Delação Premiada, MC Carol lacrou ainda mais em uma parceria com a diva Karol Conká: o hino 100% Feminista. Direta e reta, a canção conta da experiência de ambas as cantoras com machismo e ainda homenageia nomes como Aqualtune, Dandara, Xica da Silva, Nina Simone, Elza Soares, entre tantas outras mulheres vitais na luta pelos nossos direitos. A gente não vê a hora de ouvir o álbum inteiro da MC Carol e estamos orando por mais lançamentos da Karol Conká em 2017 pra tombar o patriarcado todo.

2. Ghetto Woman — Lay
Outra que veio pra quebrar tudo é a Lay, rapper de Osasco/SP, toda trabalhada no girl power e na estética 90s (que amamos com toda a alma). Você já deve ter ouvido ou visto o clipe de Ghetto Woman, parte do EP 129129 lançado em abril desse ano e que tem tudo pra bombar em 2017.

3. Menina Pretinha — MC Soffia 
Revelação de 2015, MC Soffia tem apenas 11 anos mas já mostrou a que veio com seus singles Menina Pretinha, Minha Rapunzel tem Dread e Brincadeira de Menina. Cantando sobre racismo e empoderamento feminino, a rapper se apresentou do lado de Karol Conká na abertura das Olimpíadas neste ano e apareceu numa lista da The Fader como uma das artistas mais influentes no funk nacional (ok, gringos, qual a diferença entre o charme e o funk?). Até o início de 2016, Soffia tinha um crowdfunding no ar para financiar seu primeiro álbum, estamos na torcida para que ele venha logo! ❤

4. Da Lama/Afrontamento e Tua (Liniker e os Caramelows) — Tássia Reis
Dona de uma voz intensa e cortante, Tássia Reis já está na ativa há um tempão e esse ano lançou duas novidades destruidoras: a primeira é uma participação na canção Tua, uma das melhores do álbum Remonta, de Liniker e os Caramelows. A outra, o álbum de hip hop Outra Esfera, inteirinho sobre empoderamento feminino. Tá maravilhoso!

5. Bad Blood — NAO
Não, não é essa Bad Blood que você está pensando! NAO é o alter ego de Neo Jessica Joshua, cantora britânica que lançou o sensacional álbum For All We Know este ano, misturando jazz, eletrônico, funk e R&B. A Billboard listou alguns motivos para ver a moça ao vivo nesse link, recomendamos demais!

6. Hit — Mahmundi
Se você ainda não ouviu esse……………. hit, não sabe o que está perdendo. Mahmundi é uma das promessas da música brasileira para os próximos anos. Dona de uma voz doce e envolvente, a cantora carioca tomou as rédeas do próprio álbum, produzindo e tocando guitarra na maioria das faixas.

7. Blk Girl Soldier — Jamila Woods
Há um tempo a tag black girl magic corre a web para celebrar a beleza, o poder e a resiliência da mulher negra. E é esse o gancho que a norte-americana Jamila Woods pegou para fazer sua Blk Girl Soldier, um hino de empoderamento e crítica a como as mulheres negras são tratadas no mundo. Assim como 100% Feminista, Jamila também cita mulheres imprescindíveis para sua luta: Rosa Parks, Ella Baker, Angela Davis, Assata Shakur etc. E o clipe é uma destruição só:

8. F E M A L E — Sampa the Great
Nascida na Zambia e criada em Botswana, Sampa the Great já é considerada uma das mais importantes poetisas performáticas dos últimos anos. Seu trabalho mais recente, HERoes, traz influências de Nina Simone, Miss Lauryn Hill, 2Pac, em uma série de canções empoderadas e de reflexão.

9.Come — Jain
Talvez desde Zaz e sua Je Veux, não tínhamos uma francesa ganhando espaço no pop internacional como Jain. O clipe de single debut Come foi indicado ao NRJ Music Award como vídeo do ano e seu próximo álbum contará com influências do mundo todo como percussão árabe, ritmos africanos, eletro reggae, soul, hip hop etc.

10. Butterfly — Grimes
Apesar da música ser de 2015, recentemente Grimes surpreendeu a todos com 4 clipes inéditos para algumas músicas do álbum Art Angels (Butterfly, World princess part II, Scream e Belly of the beat). Para quem não sabe, Grimes é ativa na luta contra o enorme machismo na indústria musical, produzindo tudo de suas canções. Esperamos que esses clipes sejam um teaser de novas músicas para 2017!

11. Gold — Kiiara
Em uma entrevista sobre seu hit Gold, Kiiara respondeu que a letra foi inspirada na ideia que uma mulher não deve responder a ninguém. Com apenas 21 anos, Kiiara mistura o eletronico com pop de forma muito competente e já é hit mundial, tocando em festivais como Lollapalooza e programas como o Tonight Show, de Jimmy Fallon.

12. White Tiger — Izzy Bizu
O pessoal do Tracklist já deu a letra para a britânica Izzy Bizu e sua voz suave e divertida. A londrina tem toques de Corinne Bailey Rae e Jess Glynne, no melhor estilo pop britânico.

13. Free — Broods
Se vem da terra da Lorde a gente já olha com bons olhos, não é mesmo? Pois o duo eletro pop neozelandês liderado por Georgia Nott vem conquistando prêmios e elogios com seu álbum recém lançado Conscious que conta com parcerias com a Tove Lo e a própria Lorde.

14.Drum — MØ
Desde 2014 esperamos um álbum inteiro de retorno da MØ, mas não podemos reclamar já que todo ano tem single maravilhoso (incluindo cover de Spice Girls e tudo né). Drum é fruto de uma parceria de composição com ninguém menos que Charli XCX (que também já tá na hora de lançar coisa nova né não?)

15. Too Young — Dagny
Depois de uma breve polêmica de plágio da Lana Del Rey por conta do nome e da capa de seu álbum (Ultraviolet), a norueguesa Dagny seguiu a vida provando que sua música não tem nada a ver com a de Laninha, uma vez que é super animada, com influências de um pop 90s maravilhoso!

16. Running with the Wolves — AURORA
Apelidada de “anjo” por Katy Perry quando ouviu Runaway, AURORA é uma norueguesa de 20 anos que lançou seu primeiro EP em 2015 com o single Running with the Wolves (numa clara referência à Mulheres Que Correm Com os Lobos). Neste ano, lançou um álbum completo cheio de sons e referências antigas que a inspiram a construir uma música atual, com toques acústicos e eletrônicos.

17. Tired of Talking- LÉON
Depois de Tove Lo e Robyn, a nova promessa da suécia é a Léon com seu single Tired of Talking que ganhou clipe recentemente. Essa é outra cantora que chamou a atenção de Katy Perry.

18. Cold to the Touch — Ralph
Seguindo a linha das cantoras com nomes sem gênero (repare nessa lista: NAO, MØ, Grimes, LÉON, Broods, etc), a canadense Raffa Weyman é uma deliciosa descoberta com seu pop sintético e vibes urbanas, bem millennial. Um de seus mais recentes lançamentos, Something More, foi inspirado pela série Master of None, do Netflix, que super indicamos!

19. Agora Eu Quero Ir — Anavitória 
Diretamente de Araguaína (TO) para o mundo, as jovens amigas Ana e Vitória, que dão o nome para o duo, ganharam muita relevância na internet no começo de 2016 e com o endosso do cantor pop folk Tiago Iorc, estão conquistando os palcos de todo o país. Definindo seu som como “pop rural”, Anavitória faz aquela música tranquila e fácil — e tem tudo pra ser tema de personagem da próxima novela da 21h.

20.Marina & The Diamonds — ?
Na semana passada, Marina Diamandis postou algumas fotos misteriosas sobre “estar no estúdio, gravando” e também alterou a cover e avatar de suas redes sociais, o que pode indicar algumas pistas do lançamento de um novo single ou — oremos — um álbum

Quem dispensa explicação:

Lady Gaga — Joanne
A roqueira sertaneja que você mais respeita e admira tá adorando confundir a gente, soltando um estilo por músicas nos singles. Não faz isso com seus lirous, leires.

Blended Family — Alicia Keys
Depois de um hiato de 4 anos sem novos trabalhos, Alicia Keys volta com o álbum Here que será lançado em novembro. Em maio deste ano, Alicia escreveu um editorial na Lenny Letter (Newsletter comandada por Lena Dunham) explicando sua decisão de nunca mais usar maquiagem como um ato de aceitação e celebração da sua beleza natural. Here promete uma viagem intimista de autoconhecimento junto com a cantora, como o single Blended Family já mostrou.

Depois desse lacre de lista, conta pra gente quais suas apostas pra música das mulheres em 2017 (e por qual retorno você não aguenta mais esperar!)