Sobre este blog e quem vos escreve

“Como é fazer entretenimento no Brasil?”. Toda vez que eu citava trabalhar com algo ligado ao assunto, era a primeira coisa que me perguntavam, na maioria das vezes com empolgação, a qual era sumariamente destruída nos primeiros segundos da minha resposta.

Me formei em Cinema. Além da sétima arte, tive a oportunidade de trabalhar com publicidade, jornalismo cultural, televisão e teatro. Cansei de ouvir comentários sobre como eu deveria estar rica e/ou vivendo no glamour, mas não culpo todos que disseram tal absurdo, porque é assim que todos veem de fora. É quase um clichê: quando você está na faculdade, acham que você vai morrer de fome; quando você encontra um emprego, acham que está rico. Infelizmente não é assim.

O propósito deste blog é a franqueza. Não quero denegrir a imagem de uma área profissional e nem daqueles que trabalham nela. O que eu quero é falar a verdade sobre os meus anos nesse mundo doido, vivendo na linha tênue entre o sofrimento e a realização. Entre minhas histórias de alegria e tristeza, espero abrir os olhos de todos os que sonham com a indústria do entretenimento e também dos que vivem nela e por algum motivo estejam mais uma vez achando que agora realmente chegaram no limite. Vocês não estão sozinhos.

Tentarei contar tudo numa ordem cronológica, embora eu já saiba de antemão que cedo ou tarde lembrarei de algo a respeito de uma época pela qual eu já tenha passado aqui, mas que decidirei contar mesmo assim. Espero que se divirtam, emocionem ou até mesmo se revoltem.

Então, sem mais, sejam bem-vindos!!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.