Romances Nacionais Inspirados em RPG´s

A relação entre o RPG e literatura sempre foi intrínseca, desde a criação do primeiro em meados dos anos setenta. A obra de escritores como J.R.R. Tolkien, Robert E. Howard e Fritz Leiber constituíram material fundamental para a elaboração do primeiro título do mundo, Dungeons & Dragons, dos amigos norte-americanos Gary Gygax e Dave Arneson. E esta relação, ao longo dos anos, permaneceu firme e forte, para alegria dos fãs e de leitores em geral. A medida que os jogos de RPG evoluíram em criação os romances ligados à eles foram escritos com cada vez mais qualidade e intensidade. Livros relacionados aos cenários de campanha mais tradicionais do jogo, Dragonlance e Forgotten Realms, tornaram-se rapidamente best-sellers reconhecidos mundialmente por sua significância literária.

E esse fato não ficou restrito à fantasia medieval de Dungeons & Dragons. Diversas temáticas adotados nos jogos de RPG também foram contempladas com livros romanceados de notável qualidade literária, como: Shadowrun (cyberpunk) e Vampiro: A Máscara (horror). Ambos com diversos livros que foram sucesso entre os fãs e marcos significativos em seus respectivos estilos. Desta forma, em mercados mais aquecidos que o brasileiro, mais precisamente Estados Unidos e Europa, é fator comum observar a existência de uma produção literária ligada ao RPG. Por algum tempo no Brasil isso foi inexistente, mas isso mudou…

No Brasil somente alguns anos depois da chegada do RPG os primeiros livros começaram a surgir, e décadas depois, viriam a ganhar notoriedade junto ao público. Os primeiros títulos que chegaram as nossas prateleiras foram traduções, justamente, das franquias mais fortes no mercado americano, Dragonlance de Margaret Weis e Tracy Hickman, e Forgotten Realms de R.A. Salvatore. Não demorou para que outros títulos chegassem, mas sem grande expressão, como alguns dos romances de Shadowrun e, bem posteriormente, a linha de clanbooks de Vampiro: A Máscara. Mas, uma produção literária tipicamente nacional relacionada ao RPG, só viria a ser vista alguns anos depois.

Os romances de Forgotten Realms finalmente voltam ao Brasil pelas mãos da Jambô Editora

A primeira obra realmente relevante dentro desse contexto foi Espada da Galáxia, de Marcelo Cassaro. Aproveitando o grande sucesso da ficção cientifica que predominava na segunda metade dos anos 90, o autor trouxe à tona um texto mesclando a realidade da conquista espacial americana com uma ficção ao melhor estilo invasão extraterrestre. O grande destaque do livro, premiado no mercado editorial nacional, foram os metalianos, uma raça de insetos metálicos paranoicos com a defesa de sua rainha. Segundo o romance, foi um atormentado membro desta raça que sabotou os primeiros esforços humanos em conquistar o espaço. O livro originou um RPG chamado Invasão, do mesmo autor. Por algum tempo, foi desenvolvido um suplemento de Espada da Galáxia para GURPS (Steve Jackson Games). Como as negociações para o lançamento não andaram, o livro acabou sendo publicado de maneira gratuita na internet. No entanto, o mérito da obra de Cassaro que, além de servir como precursor para o estilo em nosso país, expandiu durante algum tempo o tema do livro em materiais para jogos de interpretação, e em vários quadrinhos publicados à época e que foram muito bem aceitos pelo público e crítica.

Anos depois, mais precisamente na primeira metade dos anos 2000, foi o horror e o misticismo da virada no milênio que predominaram dentro do estilo. Aproveitando o enorme sucesso de seus jogos, a Daemon Editora lançou um romance baseado em seu RPG principal: Trevas. O livro era Entre Anjos e Demônios, do jovem autor Antônio Augusto Shaftiel. Ao contrário de Espada da Galáxia, este livro não gerou um RPG, mas sim, foi baseado em um cenário existente nos jogos. Na época de seu lançamento, Trevas já era uma ambientação consolidada no mercado nacional, e o livro veio ilustrar ainda mais este sucesso.

Embora não tenha abalado o mercado tanto quanto o primeiro, a obra foi pontual para a construção de um cânone literário ligado à fantasia no Brasil. O texto exibia uma típica aventura do cenário abordado: um grupo de anjos vindo para a Terra, mandados por um poderoso arcanjo, com o propósito de capturar um feiticeiro engendrado em uma trama diabólica! Neste primeiro momento, avalio estas duas obras como as mais representativas dentro da ótica abordada. Lógico que outras de menor apelo em relação ao público foram lançadas, mas como itens de exemplificação, estes servem muito bem ao objetivo pretendido.

Daemon Editora (bem ou mal) foi pioneira na publicação de romance nacionais de RPG

Após a primeira empreitada a Daemon Editora seguiu com força total lançando obras literárias baseadas em seus jogos de RPG. Entre Anjos e Demônios foi seguido por dois outros livros: Lanças de Christos — Assassino de Almas, e Lanças de Christos — Príncipe da Destruição; ambos de Shaftiel. A qualidade de escrita foi uma grata surpresa aos leitores, desde o primeiro livro, e ajudaram sobremaneira para a divulgação dos romances entre os jogadores; expandindo inclusive para leitores que não tinham qualquer ligação com o RPG. Os fãs de Trevas, e principalmente do suplemento Anjos: A Cidade de Prata, logo adotaram as obras como preferidas em suas bibliotecas e não por acaso. Dentro da ambientação cheia de deuses, entidades angelicais, demoníacas e magia, a narração do autor adapta perfeitamente o cenário à sua aventura escrita. E você achando que foi com A Batalha do Apocalipse, de Eduardo Sphor, que os anjos tiveram sua chance em nossa literatura, hein?!

Seguindo o exemplo bem sucedido do primeiro, o escritor principal da editora, Marcelo Del Debbio, também dedicou seu grande conhecimento e competência em história e magia para escrever romances. Autor dos principais RPGs da editora, Del Debbio iniciou sua carreira literária com a obra Vampiros: Principia Discórdia. Também ambientado no universo de Trevas RPG, porém mais focado no suplemento Vampiros Mitológicos, o livro segue uma trama bem armada com uma descrição sensacional da cidade de Londres. Baseado nas principais lendas de vampiros da Inglaterra, o romance serve perfeitamente como pano de fundo para as aventuras de qualquer narrador, principalmente pela qualidade das descrições e da mistura entre realidade e ficção.

Em seu segundo livro, Del Debbio muda o foco de seus personagens. Em Busca por Sangue, a visão é concentrada não mais nos imortais amaldiçoados, mas em um grupo de caçadores prestes a enfrentar uma batalha épica. Por fim, em relação a este cânone da citada editora, temos a mais recente obra de Shaftiel: Benção do Inimigo, onde vislumbramos um mundo em guerra onde um grupo de heróis tenta buscar a cura para um mal que desconhecem. Por todos estes livros, a editora além de uma grande potência nacional nos lançamentos de RPG, também foi a mais representativa no tocante aos romances ligados aos jogos de interpretação até então. Sua iniciativa mostrou que o mercado estava sim pronto para absorver este ramo já consolidado nos grandes mercados de RPG do mundo.

A Jambô Editora entrou com força nesse mercado após adquirir Tormenta RPG

E o ápice dessa relação começaria bem no inicio dos anos 2000 com a publicação de O Inimigo do Mundo, pela Jambô Editora, do estreante autor Leonel Caldela. Ambientado no mundo do jogo Tormenta RPG, o cenário de campanha mais jogado do Brasil, o romance acertou em cheio na preferência dos jogadores, e conquistou uma legião de leitores que não tinha qualquer relação com o jogo. A qualidade literária do livro, aliado á pouca representatividade do gênero no país, fez do título um verdadeiro marco para a fantasia nacional brasileira. Logo em seguida veio O Crânio e O Corvo, segundo livro da chamada Trilogia Tormenta, consolidando Caldela como um dos grandes nomes de nossa literatura fantástica, e estabelecendo os lançamentos da Jambô sucessos absolutos de público e crítica; alavancando de vez o estilo por aqui. Comparado a grandes autores, inclusive Bernard Cornwell, o jovem autor gaúcho logo emplacou O Terceiro Deus, que fechou sua trilogia inicial com chave de ouro, e fundamentou seu nome em nosso cânone fantástico.

Caldela escreve de maneira competente e que não deve em absolutamente nada á grandes nomes do gênero como R.A. Salvatore ou Margareth Weis. No entanto algo o distingue destes: a forma de conduzir o enredo. Sua trama é mais humana e trágica do que fantástica, característica bem diferente dos tradicionais livros de fantasia. Os heróis são seres cercados por conflitos e incertezas e seus atos nem sempre acabam com ações heróicas ou trágicas. Como autor e tradutor de RPG, soube transcrever perfeitamente em literatura o clima das mesas de jogo, em que as aventuras e lendas são construídas coletivamente. E Tormenta RPG não ficou na trilogia, em termos de literatura. Algum tempo depois dos livros de Caldela, a Jambô ainda lançou Crônicas da Tormenta, uma coletânea de contos escritos por diversos autores de peso no cenário nacional como Marcelo Cassaro, Leonel Caldela e Raphaell Draccon.

A Trilogia da Tormenta é um verdadeiro marco para esse estilo de romance

Passado este breve resumo sobre os lançamentos relacionados à esse nicho em nossa literatura, percebemos que ela foi frutífera ao perceber que ela criou uma continuidade que, muitas vezes, excede a relação RPG-literatura. É fato que muitos autores são diretamente influenciados pelo jogo para criar seus livros, como Eduardo Sphor, por exemplo. Existem muitos títulos no Brasil que foram lançados em grande parte pela influencia exercida pelo RPG junto aos autores, sendo um ótimo exemplo disso o livro Os Portões do Inferno, que surgiu como resultado de uma campanha narrada pelo autor, André Gordirro.

Mas o futuro está garantido. Falando dessa relação, o mercado vive a expectativa de uma trilogia escrita pelo lendário rpgísta mineiro Newton Nitro para o cenário Legião, que será lançado em breve, e Karen Soarele que está para lançar A Jóia da Alma, um novo romance ambientado no mundo de Tormenta RPG. Ou seja, ainda temos muitos capítulos a serem lidos nessa história, e espero que tenhamos um final feliz, como sempre!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.