Teorema

E morreu.
A falta de senso que havíamos criado quando enfim nos conhecemos;
Deixando para trás cada pedaço de orgulho que meticulosamente poderá nos levar a ruína.

E morreu.
A vaidade do bravo poeta, que por incansáveis noites buscava palavras na imensidão de uma mente perturbada;
Para enfim poder trazer junto a si, o corpo daquela que tanto ama.

E morreu, nossa falta de vergonha ao perceber que extinguimos os valores sujos de nossa mente ambiciosa;
Que busca incessantemente crescer a custa de outros.

E nasceu.
Uma nova filosofia, que nos leva a iluminar a escuridão oriunda de nossos pensamentos abandonados ao mistério da vida.

Somos mortos, mas ainda sim vivemos.