O que é ser maduro?

Foto: Rafael Rafic, Baía de todos os Santos, Salvador-Bahia

Cá estou eu, da porta para fora… começando a girar mil pensamentos e mil vezes mais sensações. Sob o sol, parei e olhei sem muito norte, eis que avisto uma lanchonete e meu desejo de comer vence a minha razão. Me encontro, sentado perante uma coxinha de frango com catupiry.

A medida que vou mastigando e degustando aquele sabor que foi inventado só para martirizar a mente dos humanos, me recordo aos poucos das palavras que foram ditas — com uma bendita interrogação no final — não tem nem uma hora. Uma pergunta tão difícil para um ser tão pequenino.

Comendo — começo a pensar, frases, a princípio sem sentido. Ser maduro é, em primeiro lugar, não sofrer. Mas não existe pessoa que não sofra alguma coisa nesse mundo, então descarta essa. Ser maduro então é ter consciência do propósito da vida. Também não conheço ninguém com tanta certeza assim.

É ser equilibrado emocionalmente? um hora a gente desmorona sobre nós mesmos e perdemos parte desse equilíbrio. Ser maduro não tem a ver com dinheiro, com sucesso, com poder. Ser maduro é estar contido em si e ao mesmo tempo se conter em outra pessoa, é nunca se cansar do auto-conhecimento e do desconhecimento alheio, do aprendizado por minuto — segundo — milésimo e o não saber de fato nada.

Ser maduro é saber que não existe a tal maturidade, por estarmos em uma constante metamorfose ambulante — toca Raul — é se identificar em uma imagem de uma longa e íngreme estrada, vista da lua, rumo ao desconhecido — pavoroso — fantástico futuro. Ser maluco… ops! maduro é nunca saber se estaremos certos ou errados mas ter a certeza de que devemos seguir em frente. A conta por favor.