Aos dezoito anos (dezoito!) eu já me via como a imagem do fracasso. Fora do ensino médio, sem uma carreira promissora, sem um emprego no qual eu pudesse crescer algum dia, sem uma faculdade que me dissesse “Estamos preparando seu futuro...”. Eu não era mais parte da fábrica: de diplomas ou de consumo.
A assustadora geração de pessoas descartáveis
Augusto Assis
16311

Me identifiquei totalmente com esse parágrafo. É exatamente como eu me sentia e só agora estou percebendo que a vida é muito mais do que eu imaginei. Que exitem outros “caminhos”…

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rafaella Campanelli Silva’s story.