Ah Louise…

Vc poderia ser cientista, poderia ser pesquisadora, poderia ser professora, poderia ser Presidente do Ibama, poderia trabalhar na OMS, poderia brilhar em uma multinacional químico-farmacêutica, poderia substituir Dra.Jane Godwall, poderia trabalhar com fitoterapêuticos em tribos isoladas, poderia avançar a passos firmes e largos no tapete vermelho em Estocolmo, e ter teu retrato pendurado nas paredes do Instituto Nobel.

Ah Louise…

Vc poderia viajar o mundo, poderia voltar a Rockville, poderia ficar pela Asa Norte mesmo, poderia acumular milhas ou comer um kibe no Beirute.Vc poderia aprender violoncelo e vc poderia falar finlandês. Vc poderia fazer aquarelas, vc poderia ser ativista, vc poderia montar uma coleção de gibis vintage.

Ah, Louise…..

Vc poderia ser minha filha. Vc poderia ser uma futura namorada dos meus filhos. Vc poderia ser minha aluna, vc poderia ser minha chefe, vc poderia ser minha vizinha, vc poderia ser minha amiga.

Ah, Louise… como é duro constatar que vc poderia tanto.

E vc é hoje uma dor sangrando no coração e na memória de tua família e amigos. Vc é um triste número na, há muito tempo insuportável, estatística do feminicídio brasileiro. Vc é mais uma vítima de um país no qual o machismo mais vil se apodera de nossos meninos, de nosso cotidiano, de nossa rotina. Vc é mais uma menina linda e brilhante que tem sua trajetória interrompida muito antes da hora. De maneira fria, covarde, brutal, monstruosa.

Ah , Louise… quando encontrar o Cara Aí em Cima, põe a mão na cintura, balança seus cachinhos dourados e tira esse desaforo a limpo: como pode alguém que escolheu trabalhar com a Vida, ter sua própria existência terminada de forma tão cruel?

Ah, Louise, vem cá, Louise. Que o Maestro Tom Soberano Jobim te dê a mão, e vc vá ♪ ♫ ♩ navegando no azul do firmamento, num silêncio lento , como um brilhante que partindo a luz, explode em sete cores ♪ ♫ ♩. Para exorcizar a feiura e a tragédia dilacerante de perdermos quem tanto poderia ser, e, tão injustamente, jamais será.