Pequenos diálogos — parte 5

Thursday in August

Novo visual

PAI: mudou o cabelo de novo?

EU: como assim?

PAI: não tava liso?

EU: tava.

PAI: não tá mais.

EU: lavei, né, pai?

PAI: só isso?

EU: só.

PAI: voltou no salão quando?

EU: voltei no salão?

PAI: é, pra fazer esse enroladinho.

EU: eu não voltei no salão.

PAI: não?

EU: Meu cabelo é assim, pai.

PAI: ah, é?


Consciência corporal

INSTRUTORA: você é… desculpe, esqueci seu nome.

EU: é Renata.

INSTRUTORA: Renata, você não tem muita consciência corporal, né?

EU: nenhuma.

INSTRUTORA: acho que é porque você é muito grande.

EU: também acho.

INSTRUTORA: suas pernas são muito longas, aí você se desequilibra um pouco.

EU: isso aí.

INSTRUTORA: mas não desanima, não, Renata! É assim mesmo. Depois você pega o jeito. Repita esse movimento do peso pra trás.

EU: assim?

INSTRUTORA: não, assim, ó! Sinta como se fosse fazer força até doer.

EU: mas tá doendo mesmo.


Quizotro?!

MULHER 1: vou levar um bolinho desses pro meu filho cantar parabéns na escola.

MULHER 2: mas aí os outros não podem participar.

MULHER 1: quizotro?!

MULHER 2: a gente!

MULHER 1: ah, na escola é melhor porque não suja lá em casa e acaba tudo lá mesmo.


Do avesso

Você se dá conta de que não tem amigos quando, ao final de um dia de trabalho…

EU: eu não acredito que passei o dia todo com o casaco do avesso e ninguém notou!

VANESSA (indignada): eu notei, sim!


Segue de volta?

Bate-papo com um amigo, há uns anos.

AMIGO: eu sigo a Zélia Gattai no Twitter.

EU: tem fake dela também?

AMIGO: não, é ela mesmo!

EU: mas ela morreu!

AMIGO: morreu?! Então é por isso que ela não tem atualizado…


Pecado

MINHA AVÓ: Maria, é pecado achar o pastor bonito?

MINHA TIA: claro que não!

MINHA AVÓ: ah, o Hilário é lindo! Falei pra Tereza: “Tereza, teu filho é um gato!”


Aquele encosto

– Gisele perguntou “mãe, vamos pro pagode?”. Falei “pra quê? Pr’aquele encosto do teu pai vir atrás de mim? Eu, hein!” Mas acabei indo.

– Teu marido foi também?

– Eu tava bem me acabando de sambar, de repente olho pro lado e tava lá a praga. Ficou criticando a menina que tava sambando com um cara lá: “aquela ali é casada”. Aí eu: “o que é que tem?”. Aí ele: “não tinha que estar de agarramento com outro cara”. Aí eu peguei e falei bem assim: “foooda-se! Ela tá beijando ele? Tá? Não tá. Tá só dançando, se divertindo”. Aí sabe o que ele falou?

– O quê?

– “Você também se diverte se agarrando nos caras assim?” Nem respondi, garota. Deixei aquele encosto no canto e fui sambar. Modéstia a parte, chamei atenção à beça. Eu não sou de se jogar fora, né?


Há muitos e muitos anos atrás…

EU: que hora eu nasci mesmo, mãe?

MÃE: sete e vinte.

EU: sete e vinte?! Ué, eu não nasci à tarde?

MÃE: esqueci! Hahahah Eu esqueci! Eu tenho que ver na certidão. Tem muito tempo, Renata, não foi ontem, não!


Sônia

CRUSH: escolha você qual filme nós vamos assistir hoje.

EU: ah, bora assistir ‘Aquarius’?

CRUSH: Aquarius… Aquarius…

EU: o brasileiro, pô!

CRUSH: Aquarius…

EU: é, aquele com a Sônia Abrão.

CRUSH: Sônia Abrão?

EU: é, a Sônia Abrão!

CRUSH: Abrão?!

EU: é, Abrão! Sônia Abrão, cara!

CRUSH: …

EU: BRAGA! SÔNIA BRAGA!

E assim provavelmente teve fim uma promissora história de amor.


Por onde anda?

Fui com a minha família prestigiar a final do concurso Miss Plus Size Nacional, que contou com a participação da minha prima na etapa regional. De repente…

APRESENTADOR: senhoras e senhores, com vocês, a cantora Ellen de Lima!

MINHA VÓ: ué, a Ellen de Lima não morreu?

MINHA MÃE: não, Dona Yedda, tá ali no palco.


Virgínia x Valquíria

MOÇA: alô!

EU: alô, boa tarde!

MOÇA: boa tarde!

EU: meu nome é Renata, falo da empresa tal. Quem fala, por favor?

MOÇA: é Virgínia.

EU: oi, Valquíria, tudo bem?

MOÇA: Virgínia.

EU: Virgínia, desculpe. Tudo bem?

MOÇA: tudo, Renata, pode falar.

EU: Valquíria, é o seguinte.

MOÇA: Virgínia.

EU: Hã?

MOÇA: é Virgínia o meu nome.

EU: Meu Deus! Desculpe. Vir…gínia?

MOÇA: isso!

EU: então, Virgínia, você pode confirmar o endereço de vocês?

MOÇA: é o tal, tal, tal, cep tal, número tal.

EU: ok, Virgí… não, Valquíria!

MOÇA: hehehe

EU: é Virgínia, né?

MOÇA: aham.

EU: desculpe, Virgínia.

Juro. Essa conversa aconteceu. Passei a ligação inteira chamando Virgínia de Valquíria. Ou terei chamado Valquíria de Virgínia?


A caráter

MULHER 1: A outra aqui já tá de graça.

MULHER 2: Quem?

MULHER 1: A mulher do Fábio, aquela palhaça! Tá dizendo aqui no Face que a festa dela vai ser anos 60 e todo mundo tem que ir a caráter. Mas não vou meeeeesmo!


Pedido de Natal

Há 3 anos, como quem não quer nada, puxei um papo sobre presente de Natal com a Milena, minha sobrinha, que, apesar de surda, consegue ouvir graças ao aparelho de Implante Coclear. Segue:

MILA: eu quero um fone de ouvido grandão porque posso botar em cima do aparelho e ouvir.

EU: é?

MILA: é. Não precisa me contar historinha, não, tá, tia? Não fala “ah, o Papai Noel mandou te entregar, blá blá blá”. Eu não acredito mais em Papai Noel. Fala assim: “toma, Milena. Comprei pra você de Natal.”


Leia também: parte 1, parte 2, parte 3 e parte 4.