Consultoria Empresarial

Um paradigma a ser quebrado

Por Marcelo Nogi

Paradigma, de origem grega parádeigma, significa “modelo padrão”.
 
Em linguagem corporativa, “quebrar paradigmas” compreende a substituição de padrões antigos por novos padrões empresariais (não necessariamente melhores).

No decorrer do tempo, a gestão empresarial tem sofrido constantes mudanças, quebrando velhos paradigmas. Os empresários, em sua maioria, pensam (e com razão!) que são os maiores conhecedores de seus negócios. Porém, se esquecem também de que não possuem contrapontos a suas decisões dentro da empresa, acreditando que sempre estão certos até que algo dê errado.

Imaginar que exista alguém que não participou da formação e evolução da empresa mas que saiba “mais” do que o próprio empresário é quase inconcebível a ele.

O consultor não tem a pretensão e nem ocupa a figura de um sócio. Não possui, se não lhe for dado, o poder de decisão. Contudo, ele traz experiências pessoais passadas e de outros negócios que provavelmente são parecidas com as quais o empresário está lidando no momento.

Sendo assim, com todas essas vantagens, por que a maioria dos empresários rejeita a ideia do consultor? O principal motivo é que os empresários não conseguem medir os benefícios de um consultor em comparação com seu custo.

Comprar um serviço de consultoria é comprar uma promessa de serviços e soluções sem saber se trará benefícios futuros.

- Como assim? Comprarei apenas uma promessa?

- Não, não será apenas uma promessa! A solução está atrelada ao total entendimento do problema.

O consultor trabalha com informações passadas pelas empresas, as quais são processadas e, a partir disso, iniciam-se as análises dos cenários e o desenvolvimento de possíveis soluções. Caso a empresa forneça informações não confiáveis ou erradas a respeito do que foi solicitado, dificilmente o consultor encontrará alguma solução.

Se o cliente não estiver disposto a realizar um feedback — e consequentemente evoluir, é improvável que vislumbre grandes resultados. O que se observa é que, quando há uma relação de abertura entre empresa e consultoria, frequentemente se consegue superar obstáculos de ordem conceitual, operacional e de pessoas. É imprescindível que haja uma relação de confiança entre as partes, pois o consultor assume o papel de um orientador e não de alguém que dispõe de todas as soluções empresariais dentro de sua “elegante maleta 007”.

Consultoria é o elo que fortalece a união entre empresa e sucesso!

__________________

Confira as versões online das edições da Revista QShow: issuu.com/revistaqshow