Por que devemos ir a um psicólogo?

Por Felipe França

Nunca se falou tanto em saúde mental como nos dias de hoje. Vários são os sinais e sintomas que percorrem o mistério da mente: ansiedade, depressão, suicídio, hiperatividade, angústias, conflitos nos relacionamentos, compulsões (drogas e alimentos), transtornos de personalidade e de humor, conflitos sexuais, transtornos alimentares, dificuldades na educação dos filhos, problemas escolares e profissionais. Enfim, poderia enumerar as diversas demandas que cercam o campo do consultório psicológico.

Entretanto, muitos ainda não compreendem a importância de se realizar um tratamento psicoterápico. Cuida-se da saúde bucal, do corpo (academias, estética e check-up médico), da educação dos filhos, do futuro, da conta bancária, porém, não se percebe a grande motivação para tratar a mente.

Destaco que o funcionamento humano se dá pelas vias biológicas, sociais e psicológicas. Devemos, sim, cuidar da saúde social, biológica e, até mesmo, estética, entretanto, tudo está relacionado como uma grande engrenagem. O bio não “sobrevive” sem o social e o psico, assim como o psico não “sobrevive” sem o bio e social. Identifico, em grandes personalidades, a falta de motivação e confiança, como em lindas mulheres e belos rapazes, além do “mergulhar-se” na baixa autoestima, em casais que se destacam pelo exemplo e que estão arraigados no excesso de ciúme e insegurança.

Devemos ir a um psicólogo para enfrentarmos nossos monstros interiores, confrontarmos o que há de mais escuro e sombrio em nós. Devemos ir ao psicólogo, pois, assim como cuidamos dos dentes, os quais de longe transmitem a alegria e a felicidade, nós devemos cuidar da alma para que possamos viver em paz (conosco e com os que nos rodeiam). Acredito que o maior presente que a vida nos dá é o agora, sendo esse o tempo em que temos a oportunidade de conhecermos mais sobre nós, de mergulharmos sobre nossos conflitos e fazê-los como uma ponte para a felicidade. Penso que a maior prisão não é aquela que nos tira o direito: a pior prisão é aquela que assola nossa mente, que impede de evoluirmos e sermos pessoas melhores.

“A cura não significa que a ferida nunca existiu, significa que ela não controla mais a nossa vida.”

Confira todas as versões online das edições da Revista QShow em: issuu.com/revistaqshow

Curta nossa página no Facebook: facebook.com/RevistaQShow

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.