Nós que aqui estamos…

O fim de uma década normalmente é imbuído de uma carga simbólica bastante elevada e, acreditemos ou não na validade desses ciclos, é certo que sermos atingidos por lembretes e comemorações quando um deles se encerra. Claro que são dignos de atenção, pois oferecem um recorte temporal um pouco menos arbitrário do que se o fizéssemos a nosso bel-prazer, além de úteis para fins de mensuração ou, com sorte, de comparação.

Pode ser um experimento, uma promessa, um contrato, um processo, uma operação… tudo pode ser enquadrado não somente num período determinado, mas especialmente em um numericamente agradável ou harmônico. É dessa forma que nossa mente, tão afeita a regularidades e repetições, prefere absorver os estímulos e fenômenos ao nosso redor para podermos entendê-los com mais facilidade. E assim nos utilizamos de ciclos cada vez mais distantes daqueles que regem a natureza — os que pontuam os dias, estações e movimentos celestiais — e passamos a privilegiar padrões artificiais — décadas, séculos, milênios — para demarcar certas temporalidades e aferir resultados de nossos projetos, compartilhados ou não. …


Out of sight, out of might

Amidst our brief stay in the surface of this spheric stone that spins around an energy agglomerate of relatively dismal mass, many phenomena are revealed to our perception.

Some things are more frequent than others and, as our mind loves regularities, those more rarified immediately receive more attention and become objects of obsession, fear or both.

That is why we coat such events with a layer of mythology that seeks to cover the apparent irrationality their inherent unpredictability brings to our lives. …


Não penso nisso, logo isso não existe

Em nossa breve passagem pela superfície desta pedra esférica que gira ao redor de um aglomerado de energia de grandeza relativamente diminuta, muitos fenômenos se revelam a nossa percepção.

Algumas coisas são mais frequentes que outras e, como nossa mente adora regularidades, aquelas mais rarefeitas imediatamente ganham nossa atenção e se tornam objetos de obsessão ou temor, ou ambos.

Por isso mesmo revestimos esses eventos de uma camada de mitologia que procura cobrir a aparente irracionalidade que a imprevisibilidade inerente a eles traz a nossas vidas. …


Imagine chegar nesta sexta-feira e fazer tudo o que você já faz, só que de maneira muito mais segura, rápida e eficaz no interior de uma plataforma desenhada para que a preservação de seu tempo e de sua privacidade sejam a principal prioridade.

Não apenas isso, imagine então se cada busca e transação comercial, as operações mais elementares da internet como a conhecemos, fossem revestidas da transparência e confiabilidade que hoje apenas sonhamos poder esperar delas?

Agora, e se lhe dissermos que esse exercício imaginativo está cada vez mais próximo da nossa realidade cotidiana, essa mesma tão mundana que compõe nossa rotina diária? …


Thanks to the vulgarization of very abstract notions of physics, today almost everyone has a vague idea of some of their boldest theories. Thus, an obscure and rather experimental terrain of it such as Chaos Theory today has some insertion in popular culture.

Take, for example, what is known as the Butterfly Effect, quite a bold attempt to account for the impact that tiny initial changes can have to the broader and more distant effects within extremely intricate and extensive systems. Turning to the details and elucidating the origin of the name, he refers to a metaphor: a phenomenon of immense scale like a tornado, observed at a given place and time, could count among its determining actions of origin even the simple fluttering of wings. …


Graças à vulgarização de noções bem abstratas da Física, hoje quase todos têm uma vaga ideia de algumas de suas mais ousadas teorias. Assim, um terreno obscuro e bastante experimental dela como a Teoria do Caos hoje em dia possui certa inserção na cultura popular.

Peguemos, por exemplo, aquilo conhecido como Efeito Borboleta, uma tentativa bem arrojada de dar conta das alterações que as ínfimas mudanças iniciais podem ter nos mais amplos e distantes efeitos considerados no interior de sistemas extremamente intrincados e extensos. …


Comparisons are inevitable, insofar as they are the most elementary of the process we have our disposal to help us understand what is around us, especially when we tread paths still barely discovered.

This is what underpins this article, establishing parallels, since they are inescapable, but also trying to show more complementarities between approaches than establishing petty relations for the sake of it.

For instance, the form through which Rhizom is composed, as a true ecosystem that seeks its own autonomy, as well as its native protocol and subjacent layers in full synergy already makes it quite singular.


Comparações são inevitáveis, à medida em que são o mais elementar dos processos para entender o que está ao nosso redor e ainda mais quando trilhamos um caminho ainda pouco conhecido.

É isto que subjaz à proposta deste artigo, estabelecer paralelos, já que eles são inescapáveis, mas visando mostrar muito mais complementaridades entre as abordagens que propriamente comparações mesquinhas. Por exemplo, a forma em que o Rhizom é composto por um verdadeiro ecossistema que busca gradativamente sua autonomia e tanto com seu inédito protocolo nativo quanto por camadas subjacentes em plena sinergia, o que já faz dele algo bastante singular.


“Sailing is a must, living isn’t”

This is a maxim que guided the mercantile progress across the globe from the outset. And defined many transformations that affected the lives of nearly every inhabitant of the world, back when crossing maritime distances was the biggest challenge that stood between individuals from all origins seeking many destinations. The very notion of risk comes from there, then naming the route traced in between these two points that involved all the dangers that could appear between will and discovery, demand and opportunity.

‘We can have the web we want’ Tim Berners-Lee

Thus, insofar as technical progress placed itself as the main source of vantages between competitors, by minimising its interference, the race had also become a technological one. And, despite the oceans we cruise today being informational and virtual, updating the forms that enable us to do so is still somewhat fundamental for all those who navigate the web on a daily basis. …


“Navegar é preciso, viver não é preciso”

Esta é uma máxima que orientou o avanço mercantil pelo território global desde seus primórdios e pautou diversas transformações que afetaram a vida de praticamente todos os habitantes do mundo à época em que atravessar distâncias marítimas era o maior desafio que se interpunha entre indivíduos das mais diversas origens e os mais variados destinos aos quais se dirigiriam. …

About

Rhizom Foundation

In Autonomy We Trust — https://rhizom.me

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store