Rise Ventures
Mar 17, 2017 · 3 min read

Renda e Qualidade de Vida (na macroeconomia)

Todos os países acompanham alguns indicadores socioeconômicos para medirem os avanços conquistados ao longo do tempo. Alguns dos indicadores são o PIB (Produto Interno Bruto), ou Renda, PIB per capita, taxas de inflação, juros, desemprego, câmbio, entre outros. O crescimento do PIB ano a ano é sinônimo de desenvolvimento. Mais renda, país mais rico e desenvolvido. O Brasil, particularmente, faz essa mensuração e exercício analítico desde 1901, primeiro ano em que se teve os números registrados.

O problema em acompanhar o indicador absoluto e simples de renda é que ele não necessariamente reflete um desenvolvimento inclusivo à maioria das pessoas; um desenvolvimento estrutural em que a população aumenta sua qualidade de vida e consciência na mesma medida. Isso porque a taxa de crescimento da renda entre os mais ricos, com seus investimentos bem geridos, na média, é superior a taxa de crescimento do país, via de regra. Os mais ricos enriquecem em maior medida que os mais pobres, pois têm educação de qualidade e meios para gerar e gerir o dinheiro. E as heranças garantem que esse dinheiro fique concentrado ao longo do tempo. Thomas Piketti explica esse fenômeno com maestria em seu livro O Capital no Século XXI.

Além disso, a taxa de crescimento do país muitas vezes é menor que o aumento de preços relativos (inflação), o que penaliza ainda mais os cidadãos mais pobres que ‘contam os reais’ ao fim do mês. E o PIB per Capita é calculado dividindo a renda total do país por todos seus indivíduos. Um pé no gelo e outro pé no fogo que, na média, a temperatura está boa. Mas ambos os pés queimam, na realidade.

É claro que o PIB per capita é um dos indicadores importantes de desenvolvimento, mas não pode ser analisado isoladamente, pois não diz tudo sobre o acesso e a qualidade da educação da base da pirâmide. Não mensura a corrupção institucional — pública ou privada. Não olha crise de liderança política. Não se preocupa com a qualidade dos serviços públicos. Não se relaciona intimamente com o acesso aos itens básicos como crédito, moradia, e saúde para população de baixa renda. Não considera a geração e reciclagem do lixo, o meio ambiente, e a integração entre os seres em sua equação. Não gera a consciência de uma forma mais ampla.

Só estabelecendo as medidas corretas podemos avaliar com clareza o progresso que necessitamos. Até existem outros índices que elucidam questões importantes — doing business in [nome do país], índice de corrupção publicado pelo Banco Mundial, o índice de Gini que mede a desigualdade de renda, para citar alguns exemplos. O problema é que o foco da liderança pública e privada se ancora principalmente ao redor da evolução da renda per capita, e esses outros índices acabam sendo analisados secundariamente, de maneira isolada, ao invés de ponderada em um indicador único de desenvolvimento.

Felizmente existem iniciativas de organizações multilaterais e economistas que sugerem ajustes na métrica central de desenvolvimento dos países, para que essa considere também outros indicadores de desenvolvimento psico-sociais e ambientais em conjunto com a renda. Além do livro Mismeasuring our lives (‘Medindo Erroneamente Nossas Vidas’), de Stiglitz, Sen e Fitoussi, em muitos outros relatórios e contextos essa questão já foi levantada, inclusive pelo próprio criador do PIB, Simon Kuznets, que afirmou em 1934 que o índice não servia para avaliar a qualidade de vida de uma população. Um outro estudo importante sobre o tema foi elaborado por 29 consagrados economistas — dos quais 10 deles possuem prêmio Nobel — em 2009, questionando o PIB como medida eficaz de progresso social.

Aguardemos e torçamos para que essas iniciativas de fato aflorem e tenham sua implementação global realizada. Assim como a geração e maximização de lucro do ponto de vista microeconômico não garante que uma empresa seja boa e bem-vinda ao mundo, a maximização de renda per capita, isoladamente, não garante o progresso de consciência que precisamos na humanidade.

© Rise Ventures

    Rise Ventures

    Written by

    We are a Venture Studio building conscious companies. We are co-entrepreneurs seeking financial, social & environmental returns.

    Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
    Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
    Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade