O Tempo das ideias acabou?

Esta é uma época de grandes contradições. A Revolução da Tecnologia da Informação ao mesmo tempo em que pôs fim a uma série de antigas instituições, como a enciclopédia Britânica, pelo menos em seu formato impresso; fez ao mesmo tempo surgir a Wikipedia, o mais vasto, organizado e confiável catálogo do conhecimento humano que dispomos.

Esta mesma revolução digital da informação, permitiu que ideias pudessem ser propagadas como nunca antes. A humanidade seguramente não está mais inventiva e criativa do que há 40 anos, mas as ideias circulam e se fazem conhecer quase que instantaneamente. Ideias tornaram-se commodities, podemos encontrá-las aos milhares através de pesquisas no Google ou em redes sociais.

Como fazer um estilingue de papel? Como ganhar dinheiro com pelos de gato? Como conhecer a Europa em 30 dias com apenas 70 dólares? Essas e outras ideias bem mais absurdas podem ser encontradas em milionésimos de segundo. Das ideias para emagrecer em sete dias, passando pelas ideias de um bilhão de dólares, até às ideias que supostamente mudarão o mundo, todas estão disponíveis nas páginas do Google. Para que ter novas ideias se o mundo já está cheio delas? O mundo precisa mesmo de pessoas que as executem.

Mike Krieger e Kevin Systrom, criadores do aplicativo Instagram, uma “ideia” de um bilhão de dólares, seguramente coletaram todos os insumos para sua ideia nos mesmos canais que você tem acesso neste momento. Você realmente acredita que ninguém mais teve a ideia de um aplicativo que permite aos usuários tirar uma foto, inserir um filtro e depois compartilhá-la? Não importa, os inovadores transformam ideias em resultados, e Krieger e Systrom, não se limitaram a ter uma ideia, eles inovaram no momento em que foram competentes na execução do Instagram. Eles fizeram de uma ideia, algo que funciona!

Vamos voltar mais um pouco no tempo. A invenção da lâmpada, talvez o mais universal símbolo representativo da “ideia”, é um grande exemplo que separam ideias de inovações. Se você fizer uma pesquisa simples com pessoas próximas a você e perguntar de quem é a ideia da lâmpada ouvirá o que o senso comum determina: Thomas Edson idealizou a lâmpada! Na verdade a primeira patente da lâmpada foi requerida por um inglês chamado Joseph Swan, quase 30 anos antes de Edson abrir sua empresa.

A ideia de Swan era genial, sem dúvida, mas a vida útil de suas lâmpadas eram tão curtas que poder-se-ia dizer que não funcionavam. Edson investiu recursos e tempo em milhares de experiências, como tecnologia a vácuo e no desenvolvimento de resistentes filamentos incandescentes e fez em 1879 uma lâmpada elétrica brilhar por 48 horas seguidas.

A ideia de Swan agora funcionava com perfeição, tornou-se de fato uma inovação nas mãos de Edson e ajudou a imortalizar seu nome. A ideia é a base da inovação, mas é o esforço da execução o que de fato muda o mundo, e é seu resultado que pode valer um bilhão de dólares.

Ideias pulam da tela do seu smartphone neste momento, por outro lado, como para qualquer outro produto regido pelas leis da economia, essas ideias perderam valor em virtude de sua abundância, segundo uma “ideia” defendida por Adam Smith há quase 200 anos.

O que faz você acreditar que essa ideia original, brilhante, perturbadora que você acabou de ter enquanto tomava banho, também não ocorreu na cabeça de um estudante filipino, católico de 18 anos, que tem acesso ao mesmo You Tube que você, que também é fã de Two And a Half Man e torce pelo Manchester United?

Ser bem sucedido na execução de uma ideia é claro, envolve outros muitos fatores, e é condicional ao fato de que ideias são traiçoeiras, revestem-se de uma convincente genialidade em sua concepção, mas não sobrevivem muitas vezes aos testes práticos de sua execução. Simplesmente muitas delas não funcionam, apesar de sua suposta genialidade. Nós tentamos mas não controlamos todos os fios dessa marionete. Independente do esforço aplicado, a grande maioria das ideias está fadada ao insucesso.

O ponto central que não podemos relevar é o fato de que uma ideia não é importante enquanto um grande esforço não for exercido para sua realização. Ideias estão na base do processo de inovação, mas não se confundem com ele.

A resposta para a pergunta no título deste artigo é NÃO! O tempo das ideias não terminou. O mundo em geral apenas mudou de alguma forma, mas o tempo das ideias segue seu curso. O que precisamos aprender é que ideias por si só não mudam o mundo, mas pessoas empreendedoras, inovadoras e que estão dispostas a dedicar um grande esforço na execução de uma ideia mudam.

Há uma Ideia Por Minuto nascendo neste instante, muitas estarão aqui expostas gratuitamente neste site, outras estão aos milhares espalhadas em cada esquina virtual da web. Execute qualquer uma, mesmo a aparentemente mais simples. Inove, torne-se imortal, mude o mundo dos outros e o seu próprio.