Não serei menos que eu mesma
Bea Moura
122

Que bom é ler, mulher, essa tua aceitação de si! Sabemos o quão dolorido é essa nossa caminhada feminina, onde o tempo inteiro é esperado de nós a fragilidade, ignorância e um bom ventre reprodutor.

Em um relacionamento que tive, era sempre criticada por meu, então, companheiro por não sonhar com o “me casar com ele”, dizia-me ser sonhadora demais e tentava me fazer sentir culpada por não ter o pedido em casamento ainda. Acredito que em seu comportamento, um tanto quanto abusivo, sua intenção era a de esconder uma certa fragilidade à minha segurança, aos meus grandes sonhos e, ao meu não sonho de família tradicional brasileira.

Sim, amiga, as pessoas tem medo do que é novo e, infelizmente, somos versões novas de um modelo vendido a anos pela nossa sociedade machista. Mas não nos deixemos intimidar, há sempre alguém disposto a amar.

E existe sempre uma irmã para apoiar.

Vamos juntas!