MOOD BOARD

EM TEMPO REAL, INTERATIVO E COLABORATIVO

“Live mood board”: o cliente como parte
do processo criativo


Tarefa diária de designer é pesquisar. Pesquisar tudo. Notícias, novidades, vídeos, novos gadgets, movimentos, comportamento, tendências, paletas cromáticas, fotografia, estilos, etc. Tarefa árdua e fundamental para alimentar a criatividade e manter as referências up-to-date.

Enquanto a wish list de livros na Amazon (essa é a minha, se quiser me presentear, fica a dica) vai crescendo, o designer se vira e se perde num mundão de blogs e sites especializados em design e tendências, onde é possível encontrar trabalhos feitos em qualquer parte do mundo. Mas um em particular vem ganhando mais importância no meu dia a dia na Serifaria: o Pinterest. O Pinterest é uma rede social que funciona como um armário (ele é seu mas fica de portas abertas para quem quiser olhar ou copiar) de colecionar coisas, e cada gaveta desse armário é um “board”. Daí cada usuário usa da maneira que quiser. Alguns usam para expor seu trabalho e fazer com que ele seja conhecido à medida em que outras pessoas “pinam” (verbo aportuguesado originado do botão “Pin it”) suas imagens. Outros usam para salvar em um só lugar as fotos que vêem por aí de filhotes de hipopótamos.

Eu o uso para colecionar referências relacionadas a tipografia, editorial, fotografia (mil etcs) que vejo em vários sites e compartilhar com aqueles que me seguem na rede.

Com o secret board, que é uma espécie de gaveta com chaves sobressalentes — você pode dividir o seu conteúdo secreto apenas com quem lhe interesse. De início não entendi muito como isso poderia trabalhar a meu favor. Agora lhe dei uma função e quis compartilhar com todos os designers por ser uma excelente ferramenta para a construção coletiva de conceito de um trabalho que está nascendo.

Explico: minha tarefa era criar uma identidade visual para uma marca nova e precisava entender as expectativas do cliente para que o resultado fosse o mais acertado possível. Ao invés de mergulhar sozinha em uma pesquisa e enviar um mood board para o cliente, pedi a ele que criasse uma conta do Pinterest e aceitasse o convite para participar da minha “gaveta secreta” –criada especialmente para esse trabalho– onde eu e minha sócia passávamos horas adicionando referências estéticas. Ele por sua vez incluía imagens que achava interessantes e comentários às nossas imagens, nos ajudando a “entrar na sua cabeça” e a complementar o briefing. Formamos então uma rede confidencial de troca de referências, onde todos os envolvidos no trabalho poderiam conversar através das imagens e assim entender melhor a direção que o trabalho deveria tomar.

Mais importante que isso, criamos intimidade e proximidade com o cliente, que se sentiu parte do processo criativo e assim, mais “dono” do projeto que estávamos criando para a sua marca.

Chamei esse processo de “live mood board”. Mood board é um painel semântico muito utilizado pelos designers para apresentar ao cliente uma noção de conceito do produto que estão criando através de imagens, cores, formas e texturas.

Enfim, as ferramentas estão aí para trabalharem a nosso favor, e o “secret board” mandou muito bem na tarefa de inovar e aprimorar o nosso bom e velho mood board. Por que enviar ao cliente um painel estático e criado apenas pelo designer sendo que ele pode ser interativo, vivo e colaborativo?

Marina Chevrand

Publicado originalmente em julho 2014 em serifaria.com

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.