Cantar faz bem e pode retardar demência em idosos

Diz o ditado que quem canta seus males espanta. E, segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Helsinque, na Finlândia, isso pode ser bem verdade. Os pesquisadores relatam que ​​cantar pode aumentar a função cerebral e o humor das pessoas com demência em fase inicial.

O estudo incluiu 89 pessoas com demência leve a moderada. Durante 10 semanas, eles foram divididos em três grupos. Um treinou canto, outro ouviu músicas conhecidas e um terceiro recebeu apenas cuidados normais.

Aqueles que estavam no grupo de canto mostraram melhorias na memória, habilidades de pensamento e a capacidade de encontrar o seu caminho. Isso ficou ainda mais evidente naqueles com menos de 80 anos e que sofriam com demência leve, segundo o estudo.

Ouvir música trouxe benefícios apenas para aqueles com uma demência mais avançada, disseram os autores do estudo. A pesquisa foi publicada em dezembro do ano passado na publicação científica Journal of Alzheimer’s Disease.


Por Thiago Varella