Robô alerta profissionais da saúde sobre higiene das mãos

Ozires chamou atenção ao percorrer o Hospital Municipal e o Centro Materno-Infantil

Vestido de Super-Homem, Bernardo fez a festa com Ozires

A higienização inadequada das mãos pode fazer com que profissionais da área de saúde transmitam infecções hospitalares a pacientes. Em maio há duas datas que remetem ao tema. São celebrados neste mês o Dia Mundial de Higiene das Mãos (5) e o Dia de Combate à Infecção Hospitalar (15). Nesta terça-feira (16), o Hospital Municipal de Contagem e o Centro Materno-Infantil Juventina Paula de Jesus receberam um importante aliado no combate a esses problemas: o Robô Humanoide Ozires.

O robô também foi a atração dos servidores da saúde

Trata-se de um androide desenvolvido por meio de um projeto de pesquisa de alunos de uma faculdade mineira que vem sendo usado estrategicamente. Durante a visita, Ozires interagiu com as pessoas, dançou tango e hip hop, tocou músicas como a Marcha Imperial (tema da série Star Wars) e fez projeções com o objetivo de incentivar a adesão dos trabalhadores de saúde à correta lavagem das mãos.

Robô Ozires percorre os corredores do Hospital Municipal de Contagem

O robô percorreu os corredores acompanhado do infectologista e coordenador do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Complexo Hospitalar de Contagem, Marcelo Silva de Oliveira. Também estava de mãos dadas com o professor de bioinformática e pesquisador Braulio Couto, um dos orientadores do projeto de pesquisa que deu origem ao androide.

Além de profissionais de saúde, Ozires sensibilizou pacientes e acompanhantes. Alguns sorriram, outros se encantaram. Houve quem ficasse desconfiado, mas todos se surpreenderam com a inusitada visita. Afinal, robôs sempre instigaram a imaginação das pessoas. Muitos aproveitaram para fazer vídeos e tirar fotos.

Juma Estefania dos Santos está com a filha de 2 anos internada na ala pediátrica da maternidade e ficou fascinada com a passagem do robô. “Nunca tinha visto nada parecido, ele é muito inteligente”, disse, enquanto a filha observava Ozires, atenta.

Internado na pediatria há mais de dez dias, Bernardo, 3 anos, estava vestido de Super-Homem. A mãe do garoto, Fernanda Coutinho Mozzoni Amorim, correu para levá-lo até o corredor, por onde o robô passava.

Braulio Couto ressalta que o projeto foi iniciado no ano passado. “Começamos a fazer adaptações em um robô de brinquedo. A pesquisa envolve nove alunos e dois orientadores e engloba as áreas de enfermagem, engenharia eletrônica, comunicação e design”, explica.

Data: 16/05/2017

Repórter: Carolina Brauer

Fotos: Adelcio Barbosa