A Rota do Brilho: um filme do Frota para toda a família… ou não

Esta obscura produção nacional fez certo sucesso muitos anos após seu lançamento, devido a um improvável culto que seus diálogos e atuações ganharam na internet. Por muito tempo a busquei, até encontrá-la dando sopa no You Tube — estou falando do inacreditável policial “A Rota do Brilho”; inacreditável de tão ruim, diga-se de passagem.

Rodado em uma época em que praticamente não se fazia cinema no Brasil, o filme, que tem no elenco Alexandre Frota e Gretchen anos antes de serem estrelas da Brasileirinhas, tenta adaptar os clichês de filmes americanos do gênero ao nosso clima tropical, adicionando à mistura sacanagem e diálogos de baixo calão. As atuações trazem humor involuntário à obra, com seus diálogos dublados e recitados sem muita preocupação em transmitir a emoção que a cena pede. No fim das contas, é o tipo de filme que vale mais pelas cenas que se tornaram virais no You Tube, pois o ritmo da edição desanima demais.

O filme conta ainda com Marcos Manzano (nunca soube o que esse cara faz da vida, mas tinha algo a ver com o Clube das Mulheres) como o policial parceiro de Frota, cheio de trejeitos americanizados, com direito a provar, colocando duas vezes na boca, um pó suspeito pra saber se é “brilho” (como a cocaína era chamada na época), e Lilian Ramos, que faz apenas uma ponta, mas que ganhou uma foto sua na capa do VHS; uma tentativa da distribuidora de aproveitar a popularidade que a moça ganhou ao ser fotografada com a genitália quase à mostra num baile de carnaval ao lado do ex-presidente Itamar Franco. Bons tempos…

Então, ao invés de perder tempo com atuações dignas de uma peça da 4ª série da tia Sílvia Helena, talvez você queira ir direto ao ponto e ver isso (https://youtu.be/jwkwgLHAVlo) e isso (https://youtu.be/yswFTVEYy-k); mas se quiser se arriscar e ver tudo, boa sorte e boa diversão!

A Rota do Brilho
País/ano de produção: Brasil, 1990
Duração: 87 minutos
Direção: Deni Cavalcanti
Elenco: Marcos Manzano, Alexandre Frota, Gretchen, Lilian Ramos, Raymundo de Souza, José Miziara, Satã, Anselmo Vasconcelos