Batman: entrei na feira da fruta…

Não sou exatamente um fã do Batman. Gosto do personagem, porém li pouquíssimas histórias do morcegão. Na infância, minha maior referência no que diz respeito a ele era aquela série estrelada por Adam West, que é uma maravilha de tão tosca. Porém, o filme de Tim Burton foi o primeiro que eu assisti em um cinema, por isso tenho um certo carinho por ele.

Tudo começa na saída de um cinema, onde um casal e seu filho tentam sem sucesso conseguir um táxi. Por algum motivo o garoto fica andando com um mapa gigante da cidade, mas isso não ajuda muito pois seu pai acaba os levando para um beco sinistro onde eles são assaltados.

Nesse ponto, qualquer um que tenha a mínima noção da origem do Batman já está pensando que é isso que está prestes a ser mostrado. Só que não — RAAAAAAAÁ! YEAH, YEAH! PEGADINHA DO TIM BURTON, CARA.

Depois de rapelar os pertences da indefesa família, os dois marginais sacripantas dividem o roubo no alto de um edifício. Quando um deles demonstra uma certa preocupação com os boatos de um morcego gigante que ataca criminosos, o outro diz que ele deveria parar com o crack, pois as alucinações estão ficando cada vez piores. É quando são surpreendidos pelo Cavaleiro das Trevas. Após distribuir umas pancadas, Batman desmaia um dos marginais e segura o outro na beira do prédio. Eles têm o seguinte diálogo:

Bandido pendurado: — Joga eu daqui não, sinhô, tenho família pra criar.

Morcegão: — Não vou soltar, porra. Só que é o seguinte, avisa seus amiguinhos que na minha favela ninguém rouba, ninguém mata e ninguém estupra não. Viu, seu arrombado? Fala pra todo mundo que essa porra de cidade agora é minha.

Bandido pendurado: — Mas afinal, quem caralhos é você, parça?

Morcegão: — I’M BATMAN.

É, aparentemente Gotham City precisava mesmo de ajuda, uma vez que os índices de violência são grandes e existem corruptos no departamento de polícia. Como, por exemplo, o tenente Max Eckhardt, que recebe um arrego do chefão do crime Carl Grisson.

No desespero, o prefeito contrata Lando Calrissian, quer dizer, Harvey Dent para ser o novo promotor público, e este promete desmascarar, com a ajuda do comissário Gordon (e talvez do chefe O’Hara), as indústrias que servem de fachada para o crime organizado — o que deixa o braço direito de Grisson, Jack Napier, um tanto bolado.

Napier sugere ao chefe que ordene uma invasão ao escritório de uma indústria química para roubar documentos que podem incriminá-los, no maior estilo Watergate. Grisson então manda que Napier se encarregue pessoalmente da operação. Mas isso é uma cilada, Bino! Grisson sabe que seu homem de confiança é pouco confiável, pois entre outras coisas anda saindo com a esposa do chefe — e como pra ele quem usa antena é televisão, isso não vai ficar barato. A tal operação é entregue de bandeja para o corrupto Eckhardt, que já andava meio a fim de mandar Napier pra terra dos pés juntos de qualquer maneira.

Pouco antes somos apresentados ao repórter mala sem alça Alexander Knox, que investiga o boato do tal morcego gigante e, por conta disso, é motivo de chacota no jornal onde trabalha. A única que parece acreditar em sua história é a renomada fotógrafa Vicky Vale, que decide se juntar a ele na busca pelo morcegão.

Como a polícia nega a existência do Batman, eles decidem procurar o comissário Gordon pra ouvir o que ele diz a respeito do assunto. Vicky tem dois convites para um baile de caridade para arrecadar fundos pra festa de 200 anos de Gotham; baile esse que será realizado na mansão do ricaço local Bruce Wayne e no qual Gordon estará presente, e é lá que eles pretendem abordá-lo.

Essa cena me deixa pensando: se o sujeito é um empresário milionário e realiza bailes de caridade, provavelmente seu rosto ja deve ter estampado colunas sociais por ai. Só que nem Vicky nem Knox têm a menor noção de quem é Bruce Wayne. Vicky chega a perguntar ao próprio Wayne sobre o anfitrião da festa. Tô pra ver repórteres mais mal informados.

Mas enfim, quando a identidade do playboy é revelada (num momento muito constrangedor pra Vicky e Knox), Wayne tem que sair de imediato, pois é informado que o comissário Gordon deixou a festa às pressas, e toca pra Batcaverna. O motivo de tanta urgência por parte de Gordon é justamente a tal invasão da fábrica, e é pra lá que nosso sombrio herói vai.

Lá, Napier percebe que caiu em uma armadilha, pois o cofre da empresa está vazio e a polícia cerca rapidamente o local:

Capanga: — Chefe, a cana tá chegando, a cana tá chegando!

Jack Napier: — A cana? Filho de umas puta, como é que eles me descobriram aqui? Agora que eu ia foder com o Bátema!

Capanga: — Mas, chefe, você ainda nem conhece o Batman.

Jack Napier: — Não interessa, porra. Vamo dá o fora daqui, vamo dá o fora que nós tamo fudido!

E aí acontece o primeiro encontro de Batman com seu futuro algoz. Ao contrário dos bandidos no começo do filme, Napier não parece muito impressionado com o tal homem-morcego.

Jack Napier: — Bonita roupa, hein, meninão? Onde você comprou tinha pra homem?

Batman: — Por quê? Quer comprar uma pro seu macho?

Jack Napier: — Ah, você tá muito engraçadinho, hein, Bátema? Engraçadinho até demais pra quem anda por aí com uma roupa ridícula dessas.

Batman: — Ridículo, eu? Falou o cara que anda de terno roxo. Mas chega de conversa que o pau vai comer solto aqui agora.

Jack Napier: — Ah, quer vir pro pau? Quer vir pro pau, vem! Mas depois aguente as consequências.

Batman não pode socar Napier pois um de seus capangas pega o comissário Gordon como refém, dando oportunidade ao chefe de balear o homem-morcego. O tiro, porém, ricocheteia na armadura do herói, atingindo uma tubulação de gás que vaza na direção do bandido, que despenca num tonel com produtos químicos que derretem seu rosto. Isso fará com que ele deixe de ser Jack Napier e se torne o palhaço, o Joker, o CORINGA.

Conseguirá nosso herói encapuzado derrotar o palhaço do crime? Não perca, na próxima semana, nessa mesma bat-hora, nessa mesma bat-página, a segunda parte da resenha de Batman!

Batman
País/ano de produção: EUA, 1989
Duração: 126 minutos
Direção: Tim Burton
Elenco: Michael Keaton, Jack Nicholson, Kim Basinger, Jack Palance, Billy Dee Williams, Michael Gough

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.