Clerks — O Balconista: o cliente nunca tem razão

Já trabalhei com atendimento ao público várias vezes e de várias formas; entre elas, balconista. Por isso me identifico muito com esse filme, onde acompanhamos um dia (que deveria ser de folga) na vida do atendente Dante Hicks, que está visivelmente insatisfeito com sua atual situação mas não parece ter grandes perspectivas, e esse é justamente um daqueles dias em que parece que tudo escolheu pra dar errado.

Assim que chega na loja de conveniência onde trabalha, Dante percebe que algum infeliz colocou chiclete no miolo do cadeado. Bando de selvagens nessa cidade! Mas eu posso garantir que poderia ser bem pior: mais de uma vez cheguei pra trabalhar e alguém tinha usado a porta da loja como banheiro, e ter que limpar merda alheia da calçada é bem mais desagradável do que pintar um aviso com graxa de sapatos. Assim, como num dia qualquer em um trabalho do qual você precisa mas não suporta, as coisas simplesmente vão acontecendo, e entre um cliente e outro você alterna entre se deprimir profundamente, repensar a vida e buscar alguma forma de se distrair.

Algumas das situações mostradas podem parecer absurdas, mas nos lugares em que trabalhei já aconteceu praticamente tudo que aparece no filme. Acho que nunca rolaram necrofilia ou partidas de hóquei no telhado (se bem que trabalhei numa gráfica onde aconteciam corridas de macaco hidráulico, o que é quase a mesma coisa), mas clientes esquisitos, os que causam tumultos, os muito mal-educados que parecem sair de casa dispostos a estragar o dia de alguém sempre… esses tinham de sobra.

Oposto a Dante é Randal Graves, funcionário da vídeo-locadora vizinha à loja, que aparentemente é de propriedade do mesmo dono. Dante pode até atender os clientes com uma certa indiferença, mas Randal parece estar empenhado em espantar todos eles (“esse trabalho seria ótimo se não fossem os malditos clientes”), sendo responsável por algumas das cenas mais engraçadas do filme. Vale destacar também Jay e Bob Calado (ou Silent Bob, interpretado pelo diretor Kevin Smith), dois traficantes que ficam de bobeira na frente da loja.

Há quem diga que o filme é super-valorizado; eu particularmente discordo e recomendo muito essa comédia, que apesar de parecer datada, ainda funciona muito bem. E como diz o cartaz do filme, “só porque eles te servem, não significa que gostem de você”.

O Balconista (Clerks)
País/ano de produção: EUA, 1994
Duração: 92 minutos
Direção: Kevin Smith
Elenco: Brian O’Halloran, Jeff Anderson, Marilyn Ghigliotti, Jason Mewes

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.