Conta Comigo: ver um garoto morto não é nenhuma festa

Ao longo da vida, filmes nos marcam pelos mais diversos motivos; mas provavelmente os que nos colocam de cara com a realidade são os mais marcantes, principalmente quando isso acontece na infância. Assisti Conta Comigo diversas vezes na antiga Sessão da Tarde, e o impacto da obra sobre mim só aumentava a cada reprise.

A trama segue um grupo de quatro amigos que, no ano de 1959, parte em uma caminhada pela linha do trem de uma pacata cidade do interior em busca do cadáver de um garoto desaparecido, passando por pântanos, florestas, desfiladeiros e até diversas situações de perigo, que acabam fortalecendo os laços de amizade do quarteto ao longo do caminho.

Parece simples, mas era diferente de tudo que tinha visto até então, pois não tinha a fantasia de aventuras como De Volta Para O Futuro ou Os Goonies, nem o terror do Jason ou Freddy Krueger que, apesar de assustarem, no fundo não passavam de faz de conta. Parecia algo que poderia acontecer comigo. E, entre outras coisas, me deparei com uma dura verdade: nada é para sempre, nem mesmo a infância, as amizades ou a vida.

O grupo é formado por Gordie, um garoto criativo que sofre por ser ignorado por seus pais (abalados pela morte de seu filho mais velho Denny); Teddy, que tem uns parafusos soltos, vítima de violência por parte do pai mas que ainda assim o ama e se orgulha por ele ter servido na Segunda Guerra (ele repetirá que seu velho foi um Comando nas praias da Normandia umas duzentas vezes ao longo do filme); Chris, um garoto com má fama mas que tem um bom coração, sendo valente e extremamente leal a seus amigos; e Vern, o tradicional gordinho panaca.

Porém eles não são os únicos em busca de fama e da recompensa oferecida em troca de informações sobre o garoto desaparecido; um bando de marginais liderado por Jack Bauer também parte na mesma direção.

Fazem parte da gangue os irmãos mais velhos de Vern e Chris, que são o tipo de pessoas que adoram causar problemas. Sabe aquele sujeito de mais de vinte anos que fica queimando fumo e empinando de moto na saída da escola pra tentar impressionar garotas adolescentes? É mais ou menos isso.

Baseado num conto de Stephen King, Conta Comigo é daqueles filmes que ficam pra sempre em sua mente, pois além da história, tem uma trilha sonora fantástica e uma fotografia belíssima, e assistí-lo depois de adulto só melhora a experiência. E se você não viu corra atrás, de preferência da versão dublada, que tem até uns palavrões. Você não se arrependerá.

Conta Comigo (Stand By Me)
País/ano de produção: EUA, 1986
Duração: 89 minutos
Direção: Rob Reiner 
Elenco: Will Wheaton, River Phoenix, Corey Feldman, Jerry O’Connell, Kiefer Sutherland, John Cusack, Richard Dreyfus