Suburbia: punk nasce torto nunca se endireita

Ah, o punk rock. Ramones, Dead Kennedys, Black Flag, The Clash, tantas bandas boas, tanta transgressão, tanta… o que foi? Vai me dizer que você é desses que acha que manja pra caralho de música porque ouve banda cheia de solo? Sai dessa, rapaz (ou moça, ou qualquer outro gênero no qual você se encaixe).

O filme de hoje acompanha o cotidiano de umgrupo de jovens que, ligados pelo gosto por punk rock e por conflitos familiares, acabam montando um squat (moradia de punks em casas abandonadas, algumas vezes também transformado em centro cultural) num subúrbio fantasma em algum lugar dos Estados Unidos.

O grupo se auto intitula T.R. (The Rejects, ou, em bom português, “Os Rejeitados”), e não é formado exatamente pelas pessoas mais espertas do mundo, uma vez que, pra sobreviver, eles roubam comida de casas da região e deixam sua marca pixando a sigla do grupo nas casas invadidas. Sigla essa que não só estampa suas roupas como também é marcada a ferro quente na pele; portanto, não é preciso ser nenhum Sherlock Holmes pra descobrir o responsável pelo vandalismo. E como era de se esperar, esse estilo de vida anárquico incomoda e muito a vizinhança que, dotada de um senso deturpado de “justiça”, começa a ameaçar os jovens.

Jack, um dos moradores do squat, é enteado de um policial que tenta amenizar a situação. Porém, a morte de Sheila, uma garota da turma, acaba gerando outro grande conflito, pois o pai da falecida tenta expulsar os punks do velório, iniciando uma tremenda briga (essa cena está em segundo lugar no meu top 3 de confusões em velórios, ficando atrás apenas da que acontece em The Wild Angels, um filme de motoqueiros sobre o qual falarei um dia desses).

Ignorarando o fato da confusão ter sido iniciada pelo pai da jovem (que por sinal a molestava e agredia), os “cidadãos de bem” se revoltam com o acontecido. Infelizmente eles não se contentam em ofender desconhecidos na internet (que nem existia na época) e partem novamente pro ataque, causando outra tragédia. E a história termina sem final feliz.

Apesar do tom pessimista e muitas vezes sensacionalista (a cena inicial mostra um bebê sendo morto por um cão), o filme é bem interessante e conta ainda com a participação das bandas TSOL, The Vandals e DI, e também com um jovem Flea (baixista dos Red Hot Chili Peppers) atuando como um dos T.R., sempre em companhia de uma ratazana de estimação.

Aos que não estão familiarizados com o punk, recomendo também os documentários “American Hardcore” e “Botinada — A História do Punk no Brasil” pra entrar melhor no clima. E é isso, crianças: anarquizem com moderação e, se beberem, não esfaqueiem seus amiguinhos, ok? Bom divertimento.

Suburbia
País/ano de produção: EUA, 1983
Duração: 94 minutos
Direção: Penelope Spheeris
Elenco: Chris Pedersen, Bill Coyne, Jennifer Clay, Flea