A Energia do Rei

O verdadeiro rei não tem necessidade de autoafirmar sua posição, pois é reconhecido pelo semblante, pela postura, seu olhar é firme e parece envolver a todos com sua segurança e ar de quem está cuidando de todos.

Ninguém nasce sendo rei , mas muitos nascem com o potencial, a energia do rei é algo latente desde a infância, essa energia desperdiçada se torna caótica, pois ela se impõe e mal trabalhada acaba por criar uma personalidade insegura e dominadora, o arquétipo do tirano infantil.

A energia do rei é imediatamente reconhecida, é algo que está na presença e na aura, o rei é uma figura doadora de energia, onde a troca entre ele e os outros faz com que todos se sintam elevados.

Não importa seu tamanho físico, sua presença espiritual é gigante, desde a primeira palavra que fala é reconhecido ou pelo menos respeitado, até os mais apáticos que não simpatizarem com ele a primeira vista sentirão no seu íntimo a grandeza da figura que se mostra proeminente não pelo orgulho, e sim pela integridade e a verdade nua exposta em seus olhos.

Agora em 2017, ainda integrando as qualidades da energia do rei, complemento esse texto com um trecho do livro ei, guerreiro, mago e amante — A Redescoberta dos arquétipos do masculino:

“Quais são a s características do Rei bom? Com base nos antigos mitos e lendas, quais são as qualidades dessa energia masculina amadurecida?

O arquétipo do Rei na sua plenitude possui as características da ordem, do modelo sensato e racional, da integração e integridade na psique masculina. Estabiliza a emoção caótica e os “comportamentos descontrolados”. Estabiliza e centraliza. Traz a calma. E na sua característica “fertilizadora” e centrada, transmite vitalidade, energia vital e a legria. Apóia e equilibra. Defende o nosso próprio sentido de ordem interior, a nossa própria integridade e os nossos propósitos, a nossa própria tranqüilidade central quanto ao que somos, e a incontestabilidade e certeza essenciais da nossa identidade masculina.

Observa o mundo com olhar firme, porém bondoso. Vê os outros em toda a sua fraqueza, em todo o seu talento e valor. Homenageia-os e promove-os. Cuida deles e os orienta em direção à plenitude do ser. Não é invejoso, porque está seguro, como o Rei, do seu próprio valor. Recompensa e incentiva a criatividade em nós e nos outros.

Na sua incorporação e manifestação central do Guerreiro, ele representa o poder agressivo quando necessário, quando a ordem é ameaçada. Ele tem também o poder da autoridade interior. Conhece e discerne (o seu aspecto Mago), e se comporta segundo esse conhecimento profundo. Regozija-se conosco e com os outros (o aspecto Amante) e m ostra esse prazer em palavras autênticas de louvor e em ações concretas que realçam nossas vidas. É essa a energia que se manifesta através de um homem quando ele dá os passos psicológicos e financeiros necessários para garantir que sua mulher e seus filhos vivam melhor.

É essa energia que incentiva a sua mulher quando ela resolve voltar a estudar e ser advogada. E que se manifesta num pai quando ele deixa o seu trabalho por algumas horas para assistir ao recital de piano do filho. É essa energia que, através do chefe, enfrenta a rebeldia dos seu s subordinados sem despedi-los. E que se manifesta no chefe da linha de montagem que é capaz de trabalhar com os alcoólatras e viciados em drogas que estão se recuperando, no seu encargo d e apoiar a sobriedade deles e lhes dar a orientação masculina e o cuidado que os fortalecerão.”

* Texto atualizado em 2017, inspirado pela leitura do capítulo sobre o arquétipo do rei no livro “Rei, guerreiro, mago e amante — A Redescoberta dos arquétipos do masculino, com trecho citado no final do texto, livro pode ser acessado na íntegra no seguinte link: https://www.passeidireto.com/arquivo/23620496/rei-guerreiro-mago-e-amante---a-redescoberta-dos-arquetipos-do-masculino---rober/41
* Texto Criado Originalmente dia 5 de Novembro de 2012, como exercício da aula de Canto de Renato Borba, otexto foi desenvolvido a pedido do educador para desenvolver a compreensão da energia aplicada ao canto.