Sim, a masculinidade é frágil pra cacete. E não, reclamar disso não é frescura
Rodrigo Orge
555

Parabéns meu amigo, compartilho os teus sentimentos, pois na minha infância e início de adolescência além de não me enquadrar no estereótipo masculino, usava cabelo comprido, o que me tornava alvo maior ainda de exclusão e chacota, realmente está na hora de desconstruir esses valores rígidos e limitados da masculinidade para libertar a essência do homem.

Essa pressão fodida de ter que provar a todo momento que é “homem” mutila o psicológico dos meninos que não podem descobrir suas preferências, pois se sentem pressionados a se adequarem ao modelo do que é ser masculino, que na maioria das vezes é negar qualquer coisa que pareça feminino, por isso o machismo e o patriarcado é prejudicial para todos, não só para as mulheres, os homens devem cada vez mais apoiar e ouvir o que as feministas tem a dizer…

Te recomendo um livro ótimo do Walter Riso, chamado “La Afectividad Masculina”, fala sobre essa luta do novo homem de romper com o machismo e ditadura da autoafirmação da masculinidade, mas pra tu ver como estamos atrasados até a tradução do livro colocou o nome “O que toda mulher deve saber sobre os homens”, quando na verdade os homens são os que mais precisam ler esse livro!

Segue resumo do livro nesse link: http://www1.folha.uol.com.br/livrariadafolha/2013/08/1327809-leia-trecho-de-o-que-toda-mulher-deve-saber-sobre-os-homens.shtml

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.