Abismo interior

A vida sempre nos prega peças / Destroça e entristece / A cada passo um novo salto / Ou quem sabe uma nova queda

Sorriso distribuo o dia todo / Como quem é feliz sempre / E choros despencam ao anoitecer / Daquela que com o desespero vive

Medos e mais medos / Caminham comigo pelas ruas / Sonhos e mais sonhos / Lembram-me que é possível acreditar

Não desistir e batalhar / Para a vida que me espera / De braços abertos / Fechando-os quando menos espero

Dificuldades a vencer / Barreiras a ultrapassar / Quem sabe serei eu / A salvação do meu lar