Somos Todos Vencedores nesta Escola Gravana!

Quando preparámos a Escola Gravana, pensámos que a Matemática — muitas vezes considerada um “bicho de sete cabeças” — teria que ser abordada de uma forma mais lúdica e, assim, à semelhança da ótima experiência do ano passado, optámos por manter uma didática de Jogos da Matemática.

Os jogos foram escolhidos a dedo com objetivos importantes para a aprendizagem da Matemática, procurando também ensinar o fair-play e treinar o ‘saber perder’. Durante os meses de julho e agosto, trabalhámos diversos jogos, alguns de origem africana, outros de diversas partes do mundo, como preparação para o Torneio dos Jogos da Matemática.

E o grande dia chegou! Era claro o entusiasmo dos alunos que pretendiam demonstrar aquilo que valiam e enfrentar, com um tempero de competitividade saudável, todos os desafios. À entrada da sala, lançámos um clima de solenidade. “Entrem em silêncio, formem uma fila e sentem-se onde a professora indicar.”. Bem dito, bem feito: começou o torneio.

Devo confessar que fiquei surpreendida com a seriedade com que os alunos levaram cada jogo. Todos queriam sair vencedores, mas todos demonstraram gostar a sério dos jogos que tinham à frente e, mesmo quando perdiam, queriam continuar a jogar com outros colegas.

Quando anunciámos os vencedores na última aula, é óbvio que os que não receberam a medalha não exultaram de alegria, mas também não houve vencidos: saímos todos satisfeitos com o desempenho geral e… um pouco mais amigos da Matemática.

É com esta mesma satisfação que chega ao fim mais uma Escola Gravana e, já com saudades, nos despedimos dos nossos alunos: Até para o ano!

Mi

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.