A importância do Nutricionista Esportivo para alcançarmos os nossos resultados

Nutricionista e Nutricionista Esportivo, existe alguma diferença afinal?

Respondendo de maneira simples, o nutricionista esportivo não deixa de ser um nutricionista de formação devidamente regulamentado pelo CFN (Conselho Federal de Nutrição), porém ele teve que estudar um pouquinho a mais para se especializar em uma área específica. Este profissional optou por restringir a sua área de atuação, no entanto se tornou um especialista muito mais direcionado a auxiliar a nós atletas amadores, a atingirmos os nossos tão específicos resultados.

Agora respondendo num ponto de vista muito pessoal…

Eu tive a minha experiência com ambos os profissionais. Isso ocorreu logo no início de minha jornada para se tornar a minha melhor versão. Tomei uma decisão que iria emagrecer, e como não sabia a quem recorrer advinha só quem eu procurei primeiro?!

Não, infelizmente não foi o nutricionista…

Foi o Google mesmo! O resultado você já deve estar imaginando — milhares de informações divergentes e nada conclusivas sobre os mais variados tipos de dietas e treinamentos possíveis, todos contradizendo uns aos outros e se auto intitulando como os “mais eficazes de todos” com suas legiões de seguidores para comprovar a eficácia.

E agora, pra onde eu corro?

Essa foi a primeira pergunta que veio a minha cabeça, afinal eu estava literalmente perdido e não sabia que dieta ou programa de treinamento seguir, e pra piorar, quanto mais eu pesquisava mais em dúvida eu ficava… Tenho certeza que você deve ter se deparado com a mesma situação em algum momento da sua vida, certo?

Vamos lá, me ajuda aí meu amigo Google: “O que comer para emagrecer”, “O que eu NÃO POSSO comer para emagrecer”, “Como queimar gordura”, “Como perder gordura localizada”, “Alimentos a serem evitados pra quem quer emagrecer”, “Qual é a melhor dieta para emagrecer”, “Pilula do emagrecimento”, “Suplementos para queimar” e a lista de perguntas para o Oráculo Google segue infinitamente com outras infinitas e divergentes respostas.

O velho conselho amigo…

Você não sabe se vai pra academia, se paga personal trainer caro, se corre, se faz crossfit, se luta, se pedala ou se joga futebol, você não sabe o que comer, o que não comer, como comer e em que hora comer! Ficamos perdidos como cegos em tiroteio com os traçantes de informações vindas da internet como balas perdidas passando raspando por nossas cabeças.

Aí vem o saradão ou a saradona com o corpo que você tanto deseja, e através do seus blogs e perfis nas redes sociais ficam dando “dicas de alimentação” baseados em coisas que funcionaram com eles. E o que nós fazemos? Geralmente damos bola e seguimos os conselhos, ou não!

Mas aí vem um anjo, ou alguém um pouco mais entendido no assunto que obteve grandes resultados e te diz: “Eu não sou profissional da área, não posso te indicar nada, mas posso te dar um conselho de amigo… Você precisa procurar orientação profissional”.

Geralmente vem aquela pergunta logo em seguida: “Mas quanto custa?”, “É muito caro?”.

A pergunta retórica

Se no seu caso o ato de emagrecer não for meramente por questões estéticas mas sim por orientação médica ou por motivo de doença, eu mando essa pergunta de volta para você com um pequeno adendo: “Quanto vale a sua saúde”, “A sua vida tem preço”?

Se o seu caso não for esse, mas sim se sentir melhor diante do espelho e melhorar a auto estima, a minha pergunta que te devolveria seria outra: “Quanto tempo, dinheiro e energia você está disposto a ficar perdendo e jogando fora para atingir os seus resultados seguindo dicas de “musas fitness”?

Pois é… São nestas horas que entra a importância de procurarmos uma orientação profissional adequada, e no meu caso não foi diferente. Dei minhas cabeçadas e fui refém do efeito sanfona até resolver seguir esse velho conselho amigo que nem todos estão dispostos a seguir, afinal “se conselho fosse bom não era dado, era vendido”, certo?

Qual o profissional mais recomendado?

Como o meu plano de saúde só cobria acompanhamento nutricional normal com prescrição de um médico, eu fui me consultar com um nutricionista clínico normal. Ele esclareceu muitas dúvidas minhas e foi muito construtivo para mim, no entanto ele me passou uma dieta, e não uma reeducação alimentar.

Me disse tudo o que eu podia e não podia comer, me passou horários detalhados e o que eu deveria comer em cada um deles. Só o que o maior erro nesse caso foi que eu disse: “eu quero emagrecer”, consequentemente o nutricionista me passou apenas uma dieta de restrição calórica. Tudo o que eu menos precisava.

Eu já estava fazendo um treinamento de cardio pesado, e era comum eu ver estrelinhas ou até ter teto preto em alguns momentos. Isso ocorreu por que não havia sido considerado na minha dieta o fato de eu estar treinando e nem o aporte necessário de alimentos para eu dar conta do treinamento e das funções metabólicas normais do meu corpo.

Afinal, não é papel nem função do nutricionista clínico considerar o fato de eu treinar ou não. E que fique bem claro aqui, que quem estava errado não era o nutricionista, mas sim EU por não ter procurado o profissional mais adequado para a minha necessidade e objetivo específico. A lógica no caso deste profissional é simples — se você quer emagrecer, você tem que comer certo e menos.

A solução

Naquela época, eu nunca havia se quer ouvido falar que existia esse tal de nutricionista esportivo, somente após ter tido minha experiência frustrada com um nutricionista que eu resolvi largar de mão esse lance de dieta, e ainda fazia questão de ficar falando mal desta nobre e importantíssima profissão.

Depois de algum tempo eu finalmente vi a luz no fim do tunel e resolvi desembolsar algum dinheiro para me consultar com um nutricionista esportivo. A experiência foi incrível! Ela me perguntou tudo o que eu comia, que tipo de atividade física eu praticava, quantas horas e dias por semana, qual era a intensidade e periodicidade.

Fez uma avaliação completa da minha condição corporal, nível de gordura corporal, coisas que na época eu só havia feito com o educador físico quando entrei na academia e não sabia para oque servia toda “aquela palhaçada”, tamanha era a minha ignorância…

O nutricionista esportivo calculou toda a minha taxa basal e os macronutrientes necessários para o meu objetivo específico, considerando o que eu já estava praticando. Me passou uma lista de alimentos com possíveis substituições, me deu dicas de suplementação, o que valia e o que não valia a pena gastar dinheiro.

Enfim, resumindo a minha sensação… Saí em alpha de lá, extremamente motivado a seguir a dieta ao pé da letra e me reeducar alimentarmente! Por este motivo, para quem considera a atividade física como uma parte essencial e integrante do processo de emagrecimento e condicionamento físico de maneira sustentável a longo prazo, eu repito e sempre repetirei o velho conselho amigo aqui: PROCURE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL.

E se for procurar, que faça diferente de mim, e comece procurando certo! :D

Dia 31 de Agosto é o Dia do Nutricionista e independente de sua área de atenção e especialização ambos os profissionais são de imensa importância para manutenção de nossa saúde.

Parabéns a todos os profissionais que nos auxiliam a fazer escolhas mais saudáveis para as nossas vidas!


Originally published at Spartancast.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.