Auto Metafísico Pernambucano

Como uma criatura pode viver

senão amando?

Amar e desamar

Incondicionalmente

A verdade

Nefasta prenda que nos ensinam

Nos rouba o que há de doce na vida

Sob o calendário glacial

de uma estrela

O amor

O desamor

A praia

O sal

Se destroem no sonho da existência

A noite golpeia

E sequer procuro velas

Como será o Deus do amor?

Suponho-o terrível

Crio deuses a partir do vácuo

Tu obedece algum?

Like what you read? Give Talez a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.