Sexting

Daqui: http://www.askmen.com/

Existem coisas na vida que você sabe que é bom em fazer. Outras você tem certeza que é um merda. Eu sou um péssimo jogador de futebol, mas sou muito bom pra entender como máquinas funcionam numericamente. Mas existe uma outra categoria de coisas que você faz. Você simplesmente faz e só descobre ser bom naquilo quando alguém te fala. É uma qualidade que pra você é tão natural que o fato de você ser bom naquilo não te parece extraordinário, afinal, todos devem fazer assim também.

Eu conheço C desde o ensino médio. Não, não. Talvez tenha sido bem antes disso, mas saber da existência não é necessariamente conhecer. A verdade é que eu só fui enxergá-la no ensino médio. Era algumas séries abaixo da minha, mas já chamava a atenção pela beleza e pelo belo par de peitos que a acompanhava. Fato é que nunca trocamos palavra. Mas o orkut existiu foi pra isso mesmo e a gente se adicionou por lá depois dessa fase.

Eu não sei porquê começamos a conversar, eu não sei porquê esta amizade migrou do orkut pro Facebook e não sei necessariamente como, um belo dia, a gente se considerava amigos. Tipo de longa data mesmo, melhores amigos, BFF, você entendeu.

Como melhores amigos, a gente conversava sobre tudo. O que, claro, envolvia sexo. C estava namorando um cara que eu considerava bem “ok” e eu a via bastante feliz nesse relacionamento. Então pra mim, C estava de boa, tranquila e contente há, sei lá, quase 3 anos de relacionamento. Até que a gente foi conversar de sexo, naturalmente. E C veio me confessar que eles não transavam há muito tempo, que o namorado não tinha tesão nela e ele dizia que era porque ela estava gorda.

(Abre parênteses na contação de história. 1- OK, preferências, cada um tem a sua. Tem gente que gosta de merda no meio do sexo, quem sou eu pra questionar. MAS, C estava longe de estar gorda. 2- Que diabos de homem escolhe uma mulher, namora ela por 2 ou 3 fucking years, pra depois dizer que não tem tesão nela. REALLY? 3- Peço licença aqui pra usar e abusar da palavra Viadagem. E não, não me refiro ao ato de ser homossexual. Me refiro a cara que é moleque, não é homem mesmo, que não sabe o que quer, do que gosta e fica empacando a vida dos outros. Viadagem, sacanagem, molecagem, use a palavra que pra você encaixar melhor. 4- Talvez eu tenha me exaltado um pouco por causa da relação de amizade existente e o meu claro pendor pro lado de C. De qualquer modo, Viadagem.)

Eu fiquei puto. Como pode-se ver no parênteses acima, eu ainda to meio puto, mas vá lá. A gente continuou a conversar pra falar de vida sexual, como essas coisas se desenrolam e tudo mais. Eu até tentei entender o lado do cara, vai saber se ele não tem algum outro problema e usou o peso da garota de desculpa (desculpa escrota pra caralho, mas, de novo, tem de tudo nesse mundo).

A gente falava de sexo e caímos pra falar de gostos, desejos, vontades, etc. C me mandou um vídeo de uma massagem sensual que terminava sexualmente, dizendo que era um de seus desejos. E também me disse que nunca tinha se sentido plenamente satisfeita numa transa. Eu não preciso dizer que isso acende uma luzinha na cabeça de um homem. Não, eu não me considero foda pra caralho, nem acho que eu daria a ela uma transa que a faria ficar plenamente satisfeita. Mas, que que custa tentar, né?

Nossa conversa acabou por aí, mas tudo ficou martelando na minha cabeça por dias. Principalmente as cenas do vídeo da massagem. Não era um de meus desejos, mas era inebriante pensar em fazer a tal massagem nela. A gente voltou a se falar no dia seguinte, apenas para ela me dizer que ainda pensava na massagem e pra eu responder “estamos aí pro que for necessário =P”. Ela riu, eu ri, era uma piada afinal, com um puta fundo de verdade, mas era uma piada.

Só nos falamos alguns dias depois, C estava na casa do namorado e veio me contar que tinha sonhado comigo, com a tal massagem e que foi uma noite confusa e estranha. Com os desejos confessos e o tesão a flor da pele o que segue é a descrição enviada por texto pra ela do que eu queria fazer.

“Quero te abraçar por trás te encochando, cheirando seu pescoço e te dando um beijo na nuca. Passar minhas mãos pela sua barriga, apertar seus peitos, sentir o cheiro do seu cabelo. Virar você de frente pra mim e beijar a sua boca. Morder seu lábio inferior enquanto aperto sua bunda.

Abaixar na sua frente e tirar sua blusa enquanto beijo sua barriga. Ver você arrepiando com os beijos. Passar minha mão por entre suas pernas ainda por cima da calça, ouvir sua respiração ofegante e olhar pros seus olhos vidrados de tesão. Tirar sua calça, dar alguns passos para trás e poder te observar linda só de calcinha e sutien.

Te deitar na cama, deitar por cima, beijar sua boca de novo e ir descendo beijando seu corpo inteiro. Tirar sua calcinha e sentir seu cheiro. Morder sua virilha. Lamber suas coxas. Lamber toda extensão da sua buceta. Abrir os lábios e tocar seu clítoris com a ponta da língua. Te chupar e sentir você se molhando cada vez mais. Suas mãos agarrando minha cabeça pelos cabelos e suas coxas tremendo nas minhas mãos.

Você está doida pra gozar, puxa minha cabeça pra cima. Quer que eu te coma. Mas ainda não. Paro de te chupar e subo te lambendo, beijando. Tiro seu sutien e seus peitos pulam lindamente pra fora. Sinto a bico deles endurecendo na minha língua. Você me puxa pra cima, beija minha boca, sente seu próprio gosto. O corpo todo está tremendo. Você desce uma das mãos e segura meu pau, aponta ele pra entrada da sua buceta. A cabeça dele toca seu corpo e eu vejo você estremecer.

Beijo sua boca, passo a mão pelos seus cabelos, puxo eles pra trás, sua cabeça vai junto, você dá um gemido delicioso, te penetro com força. Enfio tudo de uma só vez. Você está com um sorriso na cara, a cabeça arqueada pra trás. Meu pau está parado dentro de você. Eu só te contemplo.

Começo a te comer devagar, aumentando o ritmo aos poucos. Ouvindo seus gemidos e sua respiração entrecortada. Te seguro pelas coxas, me ajoelho na cama sem tirar de dentro de você. Levanto suas pernas. Seus pés estão nos meus ombros. Começo a te comer novamente com força, rápido. Você já grita, não geme mais. As mãos procuram se segurar no lençol.

Você goza deliciosamente no meu pau. Gritando, gemendo e chorando. As coxas tremendo involuntariamente e o sorriso mais lindo que você já deu.”

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.