Programa de intervenção que põe crianças na cadeia? Ineficaz…

Esses dias vi algumas páginas e pessoas compartilhando o vídeo abaixo dizendo que “é assim que os E.U.A. tratam os menores infratores, com choque de realidade, levando os menores pra prisões pra terem um “aviso”, pra verem o que vai acontecer se eles seguirem por esse caminho”.

Ficam elogiando e dizendo que deveria ser assim no Brasil ou que se tentassem algo parecido aqui só teria mimimi.

Intervention Program Exposes Kids to Jail, Raises Questions for Some — Crime Watch Daily

Só não percebem que o vídeo é na verdade uma matéria do programa Crime Watch Daily comentando sobre um programa do Condado de Bibb, na Georgia, levantando a questão justamente de que o programa está indo longe demais com as crianças.

O programa se chama Considere as Consequências. Desenvolvido para crianças entre 9 e 17 anos, que começaram a roubar, ou que sejam problemáticas ou violentas em casa ou na escola. Os pais não sabem mais como lidar com elas e procuram o programa, coordenado pela juíza Verda Colvin e pelo xerife David Davis.

No programa, uma espécie de “tour pela prisão”, os jovens vestem o uniforme da prisão, vão para a cela junto com prisioneiros reais, comem a comida da prisão, até usam algemas para ter uma experiência completa.

Durante o vídeo, o xerife Davis comenta que “o programa tem certos elementos do antigo programa Scared Straight, mas não temos a parte do programa onde presos corpulentos ficam gritando com as crianças”.


Scared Straight foi um documentário/programa de TV dos anos 70 onde delinquentes juvenis eram postos na cadeia junto com criminosos reais como um tratamento de choque para aprenderem o que lhes aconteceria se seguissem uma vida de crimes. No programa, criminosos repreendiam os jovens gritando, xingando, aterrorizando-os de forma a assustá-los diretamente para que evitassem a vida na prisão.


Na sequência, a equipe do programa mostra chocada o que acontece quando o xerife sai e as grades se fecham: prisioneiros repreendendo, xingando e gritando com a crianças. Meninas sendo obrigadas a lavar os banheiros das internas sem luvas. Crianças jogadas em celas com outros criminosos, até assassinos.

A psicóloga clínica e forense Dra. Judy Ho, que diz que “as únicas consequência para programas desse tipo são más consequências. Um programa como este pode realmente prejudicá-los, traumatizá-los. E as crianças traumatizadas, muitas vezes recorrem frequentemente a um caminho de crime”.

Ainda no vídeo, eles voltam a conversar com a juíza e o xerife, que informaram que o programa entraria em espera e lançariam uma investigação interna sobre os erros programa.

Uma das crianças do programa (de 9 anos), duas semanas depois, se envolveu em problemas, sendo expulsa do ônibus escolar por mau comportamento.

Décadas de pesquisas sobre esses tipos de programas, desde o Scared Straight, revelam que essa abordagem não só é ineficiente, mas possivelmente prejudicial aos jovens. Veja neste link um estudo completo de Anthony Petrosino e pesquisadores da Campbell Collaboration analizando o resultado de 9 desses programas, onde aponta que esse tipo de programa geralmente aumenta em 28% as chances do jovem cometer crimes, comparando com grupos de controle sem o tratamento.

O Departamento de Justiça americano oficialmente desencoraja o uso desses programas.