What about happiness?

Eu deixo sempre as lágrimas caírem, na verdade nunca dei muito valor a elas. Elas sempre dizem em silêncio o que tem de ser dito em alto e bom som, elas sempre dizem como você está.

Hoje foi só mais um dia qualquer, onde eu me identifiquei com uma porção de coisas e ficções que rondam o meu dia a dia, que acabou em lágrimas e mais lágrimas... Outro dia sonhei com uns sorrisos que eu dava em Barcelona, parecia tudo tão fácil e tudo tão compreensível, mas aí lembrei de que com os olhos fechados as coisas sempre são melhores.

Abrir os olhos para a realidade pela manhã, nunca doeu tanto quanto nos dias de hoje, talvez essa dor tenha machucado tanto que eu nem sinta mais. Li hoje que não é feio ou vergonhoso procurar ajuda, vivo pensando em uma resposta pra saber até quando viverei uma rotina que me devasta internamente, rotina essa que me cansa, que me faz pensar demais no que eu estou errado, no que eu tanto tenho que corrigir em mim e no quanto 1 pessoa pode ser tão errada. Rotina essa rodeada de armadilhas postas pelo próprio "amor humano".

Encerro esse texto perguntando: E a felicidade? Alguém sabe como faço pra chegar lá? Alguém sabe me dizer se é mais rápido ir apé ou de ônibus?
Like what you read? Give Vinicius Tavares a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.