Eu me sinto muito pra trás.

Ouço os motores me ultrapassando, todos pisando fundo, seguros de quem são, certos sobre onde pretendem chegar.

As placas que nos cercam, não os afetam de forma alguma, e assim seguem os hedonistas, corredores.

Não sei se sonham, mas tenho certeza de que nessa busca, todos se divertem. Correndo sem limite algum, mas ainda assim livres da ansiedade.

Sim, eu sigo com o pé sobre o freio, mas talvez seja porque EU NÃO SEI DIRIGIR. E o mais engraçado é que eu não posso nem descansar, pois a pressa me perturba constantemente…

Várias curvas, muitas opções pra seguir, mas aonde cada uma delas pode me levar? Quem sabe? Eu? Pergunta difícil né?

Só sei que sinto muito, aqui aprisionado eu não tenho mesmo muita opção, e quem tem né?

Talvez a estrada seja o erro, e talvez o fim seja o único acerto importante, já que não há certezas além dessa, que é a definitiva, inevitável, independente do caminho.

Seja qual for o ritmo, seja qual for o trajeto, todos temos um fim a nossa frente, só não podemos controlar o mesmo, infelizmente não podemos.

O que cada curva me reserva? Não sei, mas o que eu gostaria de saber mesmo, é se eu vou me sentir pleno de verdade em algum momento, antes do destino me encontrar, mas até lá tem muito erro pra vivenciar, né? Pelo menos eu acho, ou espero, como sempre…