Para ser artista no Brasil

No Brasil pro sujeito ser artista existe uma exigência inicial básica e inquestionável : Ter muito tempo irremediavelmente livre. Seja por ter uma família abastada o suficiente para pagar suas contas sem muito drama ou por ter cara de pau suficiente para deixar os boletos no colo da família que batalha sob o sol para sustentar o marmanjo.

No caso da família rica as coisas facilitam pois já existe um suporte social e uma série de aparatos para lubrificar a entrada nas rotas onde giram a grana e suas oportunidades. Inclua nesses aparatos o nome famoso do papai e o ano sabático na Europa que não passou de muita droga com dinheiro da família mas o artista em questão vende como uma romaria intelectual.

Para o menos abastado o caminho é mais difícil e menos glamuroso. Resta puxar muito saco, comparecer em todo e qualquer evento de arte e finalmente escolher uma minoria pra se destacar, de negro a gay. . . Basta ser minoria. Claro que por esse caminho passa a trepadinha interesseira com o professor e muita droga dividida com gente “do meio”.

Passando esse período inicial a coisa vai acontecendo com a mesma velocidade que o sujeito consegue fazer contatos , elogiar o lixo feito por outros artistas e concordar sem pestanejar com as ideologias defendidas pelos seus.

É necessário escolher uma plataforma para a arte, literatura por exemplo, mas em determinado momento passa a ser opcional. O artista poderá ser medíocre em qualquer tipo de arte pois no Brasil você não ganha aprovação pelo que produz mas por quem você é. Sendo aceito uma vez é dada carta branca para qualquer empreitada. Daí nasce ator que é cozinheiro, cantor que vira artista plástico e muita gente escrevendo poesia concreta (é como eles chamam empilhar palavras).

E depois de chegar ao topo? Como ficar por cima até encher os burros de dinheiro?

Aí o trabalho é muito parecido com montar um touro que gira em direção a ideologia da vez, basta mudar de posição rapidamente e segurar bem firme mas com carinho (no saco é claro).

Ps. : Claro que existem bons artistas que não entram na crítica acima, são poucos mas existem.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.